Desenvolvimento

8 dez, 2011

Wikisocial – sites para ONGs e responsabilidade social

100 visualizações
Publicidade

Desde o início da Internet comercial, a criação de sites para ONGs tem sido uma atividade voluntária comum para empresas, ou pessoas. Porém, é necessário uma análise mais profunda para entender as reais motivações por trás de cada ação social e as suas consequências. A caridade, do ponto de vista da Igreja Católica, é um ato de assistência sem real crença de que o assistido teria uma evolução econômica. A visão do protestantismo anglo-saxão acredita que a recuperação das pessoas necessitadas tem como objetivo social fortalecer a economia, uma vez que o assistido passa a ter um papel ativo na sociedade.

E qual a relação desta observação com a criação de sites para ONGs? A resposta está numa simples reflexão: quantas ONGs têm seus sites desenvolvidos com o objetivo de promover a empresa que desenvolveu o site, ou por alguém que estava aprendendo como criar sites? Infelizmente, muitas ONGs tem seus sites desenvolvidos de forma amadora e sem uma dedicação adequada.

Com a evolução da Internet e da responsabilidade social como fator de transformação da sociedade, temos um ótimo cenário para promover mudanças na maneira como as ONGs podem usar a Internet como uma ferramenta de comunicação e gestão. O projeto Wikisocial é uma ideia que existe há mais de 10 anos, cujo objetivo é facilitar a entrada das ONGs na Internet através do uso de ferramentas open source de gestão de conteúdo.

TEDxSalvador – o que é impossível

No dia 7 de novembro deste ano, o Wikisocial foi apresentado no evento TEDxSalvador, cujo tema foi “O que é impossível”. Postei no meu blog as minhas impressões sobre o evento.

Apresentação do projeto

O vídeo abaixo é um resumo do projeto e foi gravado a partir de uma apresentação criada com Prezi. Veja a apresentação utilizada na “Palestra no TEDxSalvador – Wikisocial – Sites para ONGs”.

Um pouco da história – Cidadania.net

Em 1999, a ideia de criar sites da ONGs foi lançada com o nome de Cidadania.net – que não está mais ativo. O funcionamento era simples: a ONG elaborava um documento com todo o seu conteúdo descritivo (história, objetivos, serviços, como ajudar, etc) e fazia uma seleção de fotos para o site. De posse deste material, o site era desenvolvido a um custo de R$100,00 dentro de um sistema de gestão de conteúdo.

O projeto não decolou por uma série de fatores:

  • Falta de cultura de uso da Internet pelas ONGs;
  • Inexistência de CMS’s open source, como o Joomla!, ou WordPress (CMS – Content Management System são sistemas de gestão de conteúdo de sites);
  • Custos altos de infra-estrutura: banda larga e hospedagem ainda tinham custos elevados.

Mas o fator mais importante era o modelo de negócios no qual se baseava a criação do site da ONG como o serviço primário do projeto. O ideal seria criar uma rede de voluntários que estivessem dispostos a criar sites para ONGs seguindo uma metodologia e padrões de tecnologia.

A explosão do conteúdo na Internet e o surgimento dos blogs e CMS’s open source

Com o surgimento dos blogs, as pessoas descobriram que gerar conteúdo para Internet e compartilhar ideias e experiências era mais fácil do que podiam imaginar. Muitas pessoas que nunca tinham cogitado se tornarem escritoras, ficaram conhecidas através de blogs. Era o início de uma discussão que se estende até hoje: blogueiros versus jornalistas. Porém, muitos já perceberam que, na realidade, o que temos é blogueiros + jornalistas.

A partir de 2004/ 2005, com o surgimento do WordPress e do Joomla!, que se tornaram os sistemas de gestão de conteúdo (CMS) open source mais utilizados, a criação de sites dinâmicos se popularizou. A Internet ganhou mais conteúdo de qualidade e atualizado.

Dificuldade na escolha da tecnologia

A diversidade de opções disponíveis para o desenvolvimento de sites é tão grande, que é inviável para uma pessoa com foco em negócios tomar uma decisão assertiva. A consequência é que a decisão passa a ser do webdesigner.

O problema deste tipo de decisão é que, em geral, não levarão em conta fatores estratégicos para o negócio, mas sim, os interesses e/ ou experiências do webdesigner. Se ele sabe flash, irá propor um site em flash. Se ele é programador ASP, irá criar um sistema em ASP para gestão de conteúdo. Se conhece apenas HTML, irá fazer um site estático.

“Quanto mais aumenta nosso conhecimento, mais evidente fica nossa ignorância”. John Kennedy

O fato é que a Intenret se tornou a principal ferramenta de comunicação – não apenas das ONGs, portanto a decisão da plataforma de gestão do site pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso da comunicação online de uma organização.

Cenário atual das ONGs na Internet

Atualmente, cada cada ONG tem o seu site desenvolvido de forma independente e com tecnologias distintas. O resultado é uma falta de padrão tecnológico e de boas práticas para Internet.

Algumas ONGs tem a sorte de ter uma empresa e/ ou voluntário com bons conhecimentos de desenvolvimento de sites, e conseguem ter um site eficiente, fácil de gerenciar, bem divulgado no Google (ver artigo o Google Grants – Publicidade Gratuita para ONGs) e com o Google Analytics implantado.

Infelizmente, a grande maioria das ONGs tem sites mal-planejados e, muitas vezes, desenvolvido de forma amadora por funcionários, ou voluntários, sem conhecimentos das boas práticas de desenvolvimento de sites.

Esta falta de padrão gera um problema adicional: não é possível criar uma rede de voluntários que troque experiências entre si e, juntos, criem soluções conjuntas para atender as demandas das ONGs na Internet.

Wikisocial – uma nova proposta para criação de sites para ONGs

Em vista destes problemas e com a experiência prévia do Cidadania.net, surgiu a ideia do Wikisocial, cujo objetivo é criar uma rede de voluntários capacitados a utilizar CMS’s open source (Joomla! e/ ou WordPress) para desenvolverem sites para ONGs dentro de um padrão e metodologia pré-definidos.

A padronização de plataforma e metodologia objetiva diminuir a curva de aprendizado dos voluntários e dos colaboradores das ONGs. Além disso, será possível criar uma rede de colaboração para troca de experiências e projetos. Um sistema de cadastro de voluntários poderá ser aproveitado por diversas ONGs, ao invés de ficar restrito a apenas uma, no formato antigo de voluntariado.

Por que usar plataforma open source?

O open source é uma forma de desenvolvimento na qual o código é aberto e qualquer desenvolvedor pode ajudar a melhorar o software. Mais do que um sistema, o open source é um modelo de colaboração que só se tornou possível com a Internet. O uso do Joomla! e/ ou WordPress como plataforma de gestão dos sites para ONGs reside no fato de existir duas grandes comunidades de desenvolvimento que são, naturalmente, potenciais voluntários para o projeto.

Além disso, o crescimento destas plataformas no âmbito empresarial gera uma demanda crescente por profissionais capacitados para desenvolvimento e gerenciamento de sites nestas tecnologias.

A ajuda de mão dupla

Neste cenário, o voluntário deixa de ter o papel de “salvador da pátria” e a criação do site passa a ser uma via de mão dupla, pois o voluntário terá os seguintes benefícios ao entrar para o Wikisocial:

  • Aprenderá novas metodologias web;
  • Terá cursos de capacitação em Joomla!/ WordPress;
  • Poderá dividir conhecimento com outros colaboradores da ONG;
  • Multiplicará conhecimento;
  • Ampliará seu networking profissional.

Em suma, o voluntário irá melhorar seu currículo profissional e crescerá como pessoa.

Como ajudar o Wikisocial

Estamos na fase inicial do projeto e, atualmente, precisamos de ajuda para divulgar o projeto para pessoas que tenham influência no terceiro setor, ou sejam potenciais patrocinadores. Temos uma parceria em: