Consultando dados sumarizados – Parte 2: visões indexadas

Consultando dados sumarizados – Parte 01: usando visões

Eu considero uma boa prática criar visões para as consultas mais importantes e/ou frequentes. Isso facilita muito a manutenção destes objetos.

+

Uso de sinônimos e o ciclo de vida do banco de dados

O conceito de sinônimo está disponível no SQL Server desde a versão 2005, mas até hoje ele é muito pouco usado. A ideia é muita simples: criar um apelido para um objeto de modo abstrair a localização deste objeto.

Restaurando bases de dados em instâncias diferentes

Neste artigo, eu explico como executar a operação de restauração de um backup full entre instâncias diferentes e que usam discos e drives diferentes.

+

Trabalhando com tabelas particionadas

O particionamento descrito neste artigo é aquele que afeta individualmente tabelas e/ou índices, também conhecido como particionamento horizontal de tabelas. É um processo para segregar dados de tabelas específicas em várias unidades físicas menores.

Quando o MSDB cresce demais

No SQL Server, as bases de sistema MASTER, MSDB, MODEL costumam ser bem pequenas, na maioria das vezes, menores que 10 Gb. O TEMPDB é uma exceção, porque, como todos sabem, ele é compartilhado entre todas as bases da instância para execução de várias operações.

Identificando tabelas sem índices

Infelizmente, muita gente cria tabelas novas sem uma PK, índice clusterizado ou mesmo um índice columnstore clusterizado. Hoje apresento um script para verificar se existem tabelas nessa condição dentro do seu banco de dados.

Servidores registrados: executando operações em todo ambiente

Neste artigo, eu descrevo um procedimento que usa os servidores registrados para executar operações em múltiplos servidores simultaneamente.

+

Índices e o excesso de coisa boa – Parte 3: objetos grandes demais

O tamanho do índice é uma questão relevante e identificar/tratar estas situações, além de ajudar a manter a saúde e a performance do seu banco de dados.

+

Índices e o excesso de coisa boa – Parte 02: objetos sem uso

Índices devem ser escolhidos conforme a expectativa de utilização da tabela ou, melhor ainda, conforme as estatísticas reais das operações da tabela.

Este projeto é mantido e patrocinado pelas empresas: