Cloud Computing

Cloud Computing

Alibaba ultrapassa IBM em cloud computing

4 jul, 2018
Publicidade

Em cloud computing, o Alibaba é conhecido principalmente pelo seu crescimento veloz na China, onde a empresa tem sido líder por muito tempo.

Mas já não é somente uma potência em casa. No primeiro trimestre, o Alibaba ultrapassou a IBM e se tornou o quarto maior provedor de infraestrutura na nuvem e serviços relacionados do mundo, de acordo com o grupo Synergy Research. Perseguindo ainda a Amazon, a Microsoft e a Google.

O Alibaba está ajudando empresas chinesas que querem expandir seus negócios para o exterior e também está ganhando cada vez mais negócios de grandes clientes em outros lugares que buscam dividir o mercado da China, que há muito tempo tem sido um desafio para pessoas de fora.

O site Alibaba mostra que empresas europeias, incluindo InterContinental Hotels Group, KPMG, Nestle, Philips, SAP e Schneider Electric são todos clientes, assim como os clientes dos EUA, como a empresa de marketing Conversant e a provedora de mapeamento de software Esri.

O Alibaba e as outras maiores empresas de tecnologia do mundo estão construindo data centers, reunindo pessoal e fazendo aquisições para lidar com o aumento de cargas de trabalho à medida em que mais empresas mudam suas necessidades de computação e armazenamento para a nuvem. O Alibaba está em segundo lugar na região Ásia-Pacífico, atrás da Amazon Web Servies, e está se desenvolvendo rapidamente em outros lugares.

“Esse é um jogo de escala, e para ser um líder de mercado, são necessários vastos investimentos contínuos, uma presença global e uma marca global”, disse John Dinsdale, diretor de pesquisa da Sinergy, no relatório do mês passado.

Embora o Alibaba esteja fazendo incursões, ele ainda está muito atrás da AWS, cuja participação no mercado está estável em torno de 40%. Mas ultrapassar a IBM é uma conquista notável.

Andy Jassy, CEO da Amazon Web Services, na conferência WSJD Live, em Laguna Beach, California, U.S., October 25, 2016.

No primeiro trimestre, o Alibaba informou que o seu negócio de nuvem cresceu mais do que o dobro, atingindo US$ 699 milhões em receita, depois de dobrar no último ano fiscal para US$ 2,14 bilhões, em relação ao ano anterior.

Empresas de tecnologia não relatam resultados de nuvem de maneira consistente, portanto, obter números comparáveis é um desafio baseado no que eles divulgam. Por exemplo, a IBM não relata sua infraestrutura e plataforma como uma receita de serviço. E empresa informou no primeiro trimestre, que sua taxa de execução anual para a nuvem como serviço aumentou 25% para US$ 10,7 bilhões.

A ascensão do Alibaba nos gráficos tem sido contínua. No início desse ano, superou a Salesforce, afirmou Dinsdale para a CNBC em um e-mail. Para chegar ao terceiro lugar, o Alibaba precisaria derrubar a Google, que disse ter alcançado US$ 1 bilhão em receitas de nuvem por trimestre, entre a nuvem publica Google Cloud Platform e o portfólio de aplicativos de produtividade do G Suite.

Em um relatório separado, divulgado em abril, a Synergy informou que enquanto o Alibaba ganha participação na infraestrutura de nuvem, que inclui nuvem privada hospedada, ele ainda possui apenas 5% do mercado, atrás da AWS e também da Microsoft, IBM e Google.

Desacelerando o crescimento

A empresa de gerenciamento de nuvem Rightscale recentemente começou a perguntar sobre o Alibaba pela primeira vez em sua pesquisa anual de profissionais de TI. Ela descobriu que 2% dos 997 entrevistados estão executando aplicativos em sua nuvem. Entretanto, o Alibaba estreou no relatório anual do Gartner sobre infraestrutura de nuvem como um serviço há um ano.

Espera-se que a taxa de crescimento da nuvem do Alibaba diminua à medida em que a unidade se torna maior. Analistas da Raymond James estimaram em uma nota de maio que ela poderia desacelerar para um crescimento de cerca de 87% no próximo ano e cerca de 60% no ano seguinte.

Ela também enfrenta uma caminhada longa convencendo grandes marcas globais a armazenarem seus dados mais sensíveis com uma gigante de tecnologia chinesa.

“A empresa não tem participação substancial com os compradores na maioria dos mercados, pois ainda está construindo o talento local necessário, a expertise da indústria e as capacidades de entrada no mercado”, disse o Gartner em seu relatório de 2018 sobre o mercado de infraestrutura em nuvem. “Possíveis clientes internacionais também podem perceber questões de segurança e conformidade regulatória ao usar uma empresa chinesa, mesmo que o Alibaba Cloud tenha passado por auditorias de terceiros.”