Cloud Computing

8 set, 2021

Gerenciamento de infraestrutura multicloud com Kubernetes proporciona otimização e economia

100 visualizações
Publicidade

A orquestração de contêineres por meio de sistemas Kubernetes diversos não é uma novidade no cenário de desenvolvimento. Há anos, ele vem sendo utilizado, aliado aos serviços de nuvem, para facilitar não só a criação de um software, como o seu gerenciamento de forma mais rápida, escalável e com maior nível de segurança para os códigos que ali estão armazenados.  

Uma vez que a inovação é um processo cíclico, sendo repensada de tempos em tempos e transformada em algo cada vez mais simples e vantajoso, a usabilidade do Kubernetes também seguiu o mesmo fluxo. Até pouco tempo, a orquestração era realizada de forma limitada, sendo atrelada à infraestrutura de nuvem e ao provedor do sistema. Ou seja, em um ambiente multicloud, o profissional desenvolvedor deveria obter múltiplos clusters Kubernetes para realizar o gerenciamento dos clusters acoplados em cada ambiente.  

A fim de sanar esta necessidade, o mercado passou a contar com a orquestração única em ambientes multicloud. Com isso, os desenvolvedores poderão, a partir de um único serviço, gerenciar uma infraestrutura de nuvem, independentemente de quais e quantas nuvens ela tenha. Com soluções Microsoft, por exemplo, os profissionais podem, como um recurso preview, fazer o deployment de alguns serviços PaaS (Platform as a Service, ou plataforma como serviço) do Azure no Azure Kubernetes Service, além de em clusters kubernetes em outras nuvens ou, até mesmo, em ambiente on-premises. Esta inovação é um marco no mercado de desenvolvimento uma vez que padroniza todo o ambiente e otimiza o trabalho do profissional desde o momento da implementação do Kubernetes – já que a criação de clusters e configuração de rede de armazenamento é feito de forma mais simples pelos serviços em nuvem; até o gerenciamento – a partir de uma visão unificada de todos os ambientes.  

Os benefícios do Kubernetes atuando em cenários multicloud são sentidos, principalmente, pelas companhias que contam com um alto volume de aplicações e precisam garantir não só o bom funcionamento de todos os seus softwares, como a segurança de seus dados e informações internas e a conformidade  com  políticas da empresa e com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Além disso, há uma considerável economia de recursos, ao não necessitar da aquisição de diversos tipos de serviço com o mesmo propósito.  

Outra novidade recente neste segmento é a aceleração da inovação em ambientes híbridos e multicloud a partir de serviço que permite o gerenciamento simplificado, além do desenvolvimento de aplicativos de forma mais rápida e com mais proteção de clusters, sejam eles em Windows, Linux, SQL Server ou em Kubernetes de ambientes de borda, on-premises (estrutura física e local) ou multicloud. Dessa forma, é possível construir e projetar aplicativos nativos em nuvem em qualquer infraestrutura.  

Por fim, como parte do ecossistema e visando a manutenção do conhecimento a partir das tecnologias open-source (ou seja, de código aberto), a Microsoft triplicou em três anos o número de funcionários que participam do projeto de software livre em três anos. Tendo em vista o cenário de inovação e aprimoramentos que o Kubernetes pode trazer tanto no dia a dia dos desenvolvedores, quanto para as empresas, é importante que os profissionais de tecnologia continuem colaborando com a sua evolução. Acreditamos que assim poderemos ver cada vez mais avanços que garantam flexibilidade, escalabilidade e segurança.