DevSecOps

25 jul, 2014

As duas ciências: por curiosidade ou por sobrevivência

100 visualizações
Publicidade

Diria que angústias são:

“Sentimentos que nos incomodam e que gostaríamos de conviver melhor com eles, ou em alguns momentos eliminá-los”.

E há, a meu ver, duas diferentes angústias que nos movem ao conhecimento, como vemos abaixo:

ciencia-1

  • Precisamos conviver com o que não conhecemos, não necessariamente por um problema prático, queremos conhecer mais e mais para reduzir essa angústia do desconhecido;
  • E temos a angústia da sobrevivência, que nos leva a tentar melhorar o conhecimento para resolver problemas práticos.

E aí chegamos no modelo abaixo:

ciencia-2

“Ou seja, quando começamos a conhecer algo, é importante que seja definido que tipo de angústia estamos querendo resolver, pois a Angústia do Desconhecido pode nos levar a apenas ter curiosidade de resolver, mas não estar aliado a nenhum problema prático no primeiro momento”.

  • Um exemplo típico é o estudo dos planetas, dos povos antigos e de tudo que não resulta em solução de um problema prático.
  • Do outro lado, temos a Angústia da Sobrevivência, quando estamos focados em resolver Problemas Práticos, ligados à nossa sobrevivência.

Tal divisão é muito importante para pensarmos o conhecimento, pois nos dois casos teremos dois tipos de abordagem científicas com métricas de comprovação diferentes, como vemos abaixo:

ciencia-3

Assim, não podemos ter um método igual para os dois casos.

  • O estudo de planetas ou de uma colônia de peixes que se quer apenas conhecer se dará por uma validação de textos. Usaremos lógica, compararemos fenômenos e chegaremos a algum resultado que fará mais sentido.
  • Porém, não haverá uma intervenção na dada realidade, pois o ser humano será apenas um espectador do fenômeno sem intervenção.
  • Para esses casos, não podemos trabalhar com uma lógica pragmática, ou experimental, mas trabalharemos mais com a análise da linguagem para ver o que é mais coerente.
  • Nesse momento, a teoria não resultará de forma direta em uma metodologia de ação. Não é essa a angústia que está em jogo, mas apenas o conhecer pelo conhecer.
  • É um estudo voltado para fenômenos.

Entretanto,

ciencia-4

quando temos, por outro lado, a angústia da sobrevivência, isso já muda de figura.

  • O conhecimento tem uma demanda para resolver uma angústia objetiva, da qual se espera algum resultado.
  • A validação será feita a partir da construção de uma dada metodologia, que conduzirá a trabalhos operacionais, transformando necessariamente algo em serviço ou produto.
  • Aí a medição da dada teoria é feita de forma prática e objetiva.
  • Os produtos e serviços que resultaram no estudo são mais eficazes e melhores do que os passados?
  • Reduziram mais sofrimento? Ou aumentaram?
  • É um estudo voltado para problemas.

“Essa separação acredito que recoloca a briga entre pragmáticos e metafísicos, pois não se pode cobrar de estudos que lidam com a Angústia da Curiosidade da mesma maneira que lidamos com a Angústia da Sobrevivência”.

Obviamente, que temos aí na Ciência e nas suas prioridades o tempo que vamos nos dedicar a cada um desses campos.

ciencia-5

E podemos cobrar de cada um deles, pois o primeiro está dentro do que defini como uma Rede de Conhecimento, que apenas visa a melhorar nossa capacidade de perceber o mundo. E o outro é uma Rede de Ação, na qual o conhecimento tem um objetivo prático.

É um pouco a separação entre Ciências Aplicadas e Não Aplicadas.

E isso fará diferença quando pensarmos a Cadeia do Conhecimento que tenho tentado desenvolver.

Poderia, assim, definir que temos:

  • Ciências da Curiosidade – que visam apenas a nos dar mais subsídios sobre o mundo que nos cerca;
  • Ciências da Sobrevivência – que objetivam resolver problemas práticos.

Como vemos abaixo:

ciencia-6

Tentativas iniciais de enquadramento:

ciencia-7

É isso, que dizes?

Slides aqui: