DevSecOps

26 fev, 2013

A chegada da topologia 3.0

100 visualizações
Publicidade

Vivemos a passagem da topologia da dependência do  líder-alfa para a da inteligência coletiva dos formigueiros.

Quanto mais converso com meus alunos, mais vejo o tamanho do desafio que temos pela frente.

Temos que compreender uma mudança topológica do mundo, conseguir digeri-la e adotar práticas para poder lidar com ela.

Ufa, não é pouca coisa.

Nunca na história (desta humanidade como dizia o Lula) tivemos a chance de perceber a mudança dessa natureza (topológica cognitiva) e ter de lidar tão rápido com ela, pois cada vez as mudanças nas topologias estão ficando mais rápidas (se podemos dizer que séculos são rápidos, no caso da última).

Digamos que vivemos hoje a passagem na placa-mãe da sociedade de uma topologia para outra.

Uma topologia cognitiva define basicamente como nos organizamos como espécie em todos os sentidos: decidimos, produzimos, conhecemos, aprendemos.

Vivemos a passagem da topologia da dependência do  líder-alfa para a da inteligência coletiva dos formigueiros.

Em termos de topologia já tivemos três, conforme sugeriu Pierre Lévy: oral, escrita e digital.

Podemos dizer, assim, que estamos nos primórdios da topologia cognitiva 3.0, mais dinâmica e compatível a um mundo de 7 bilhões de pessoas, que vive em megalópoles.

Muitos dirão que há tempo para se preparar, mas há dois problemas aí:

  • projetos que estão sendo feitos de redes sociais corporativas estão fora de foco e vão ser dinheiro jogado fora ( e os projetos estão aí em desenvolvimento);
  • e a coisa agora está sendo muito mais rápida do que as anteriores, por causa da densidade e capacidade de inovação dos polos principais, todo cuidado é pouco, vide indústria da música.

Vejamos:

tabela

Detalhemos.

  • Note que há por baixo da sociedade uma topologia que define a forma de trocarmos informações.
  • Podemos apontar, conforme nos sugeriu Pierre Lévy, essas três etapas, que passam pela oralidade, escrita e agora a digital.
  • Cada uma necessária pelo crescimento da população, que força uma sofisticação topológica, que forma a placa-mãe da sociedade.
  • Podemos notar que as topologias têm fases, primeiro são beta-testadas em grupos menores e depois se massificam.
  • Se relacionam com o ambiente presencial: quanto menores os conglomerados, mais podemos horizontalizar; quando aumentam, é necessário verticalizar. Na nossa topologia, estamos tentando horizontalizar a explosão demográfica, por isso estamos adotando o modelo das formigas.
  • O modelo topológico da espécie humana adotado té aqui é mais próximo das matilhas, com uma maior dependência do líder-alfa.
  • A sofisticação da topologia, com novas tecnologias cognitiva,  significa necessariamente o aumento de troca entre os indivíduos para manter a espécie funcional.

As topologias cognitivas atingem toda a sociedade e é sobre ela que a gestão vai ser modelada. Assim, não é a gestão que define a topologia cognitiva, mas o contrário.

Veja o modelo abaixo, que segue um pouco as topologias passadas.

  • Note que na rede centralizada, todos dependem muito mais do centro, do líder-alfa, com pouca interação entre as pontas.
  •  No segundo modelo, divide-se um pouco o papel das pontas, mas ainda há uma forte centralização, que vai entrando cada vez mais em crise, conforme o tamanho da espécie vai aumentando, pois perde-se tempo ao se depender de um ponto específico.
  • E, por fim, na distribuída, que é o modelo mais próximo da topologia 3.0, apenas administrada, através de rastros digitais.

A passagem de um modelo de 2 para 3 é hoje impossível, pois precisamos do líder alfa para definir critérios de decisão e organizar o fluxo.

O que a topologia cognitiva 3.0 permite, através da rede digital, é a criação de trocas, a partir de rastros digitais, similar ao das formigas, que vai retirando a necessidade da supervisão do líder-alfa, cada vez mais trocamos com os pares palavras e rastros, o que vai nos permitindo consolidar um novo modelo de gestão mais eficiente do que o anterior.

Vide os modelos de gestão do Taxibeat, Mercado Livre, Estante Virtual, todos baseados no Karma Digital, rastros, nos quais quem compra ajuda a mostrar onde e quando comprou e alguns classificam a qualidade do atendimento, ajudando aos que vem depois a tomar decisões melhores e mais seguras.

Essa é a grande mudança, pois conseguimos administrar muito mais gente, com um modelo de gestão muito mais barato, pois formiga humana ajuda formiga humana.

Assim, a topologia define a gestão e não o contrário.

tabela

Nosso problema é que a atual topologia está nas camadas mais profundas do nosso cérebro e precisamos criar métodos para conseguir vê-las e poder modificá-las. Isso é a parte mais difícil.

Toda a estrutura social, incluindo a escola, prepara e está moldada para o modelo ineficaz da matilha, sendo hoje o formigueiro a aberração, causando forte estranhamento.

É possível migrar com menos sofrimento?

Sim,  difícil, porém cada vez mais necessário.

É isso que dizes?