Front End

Front End

Uma breve história do áudio na Web

23 set, 2015
Publicidade

Não que eu seja uma pessoa saudosista (afinal, apesar do romantismo da codificação do HTML puro, o desenvolvimento era muito limitado), mas gosto de analisar e lembrar como a tecnologia evoluiu para chegar onde ela está e quais os possíveis caminhos ela deve seguir. No artigo desta edição, quero falar um pouco sobre como o áudio na Web evoluiu nos últimos anos.

Antes de começar, vale um alerta: não vou falar de download de arquivos de áudio, e sim de execução de áudio nativo nas páginas Web.

Para isso, é preciso voltar aos primórdios da Web. Por volta de 1995, a Web era um amontoado de GIFs animados, tabelas, textos sem formatação e backgrounds em gradiente feitos de imagens (lembre-se de que não existia CSS nessa época e todos os backgrounds eram declarados dentro do HTML). Foi nessa época que surgiu um elemento que só funcionava nas primeiras versões do Internet Explorer, chamado <bgsound>. Ele permitia algo inimaginável até então: adicionar som a uma página web.

O <bgsound> permitia que se inserisse um arquivo .MID para tocar toda vez que o usuário entrasse na sua página. Atributos como loop e volume tinham tudo para transformar a vida do usuário em um inferno.

Em 1996, a Macromedia percebeu o quanto a Web podia ser muito mais do que hiperlinks (ou áudio em .MID) e lançou o software Macromedia Flash, que possibilitava criar experiências multimídia limitadas apenas ao seu bom senso. Pirotecnias como o EYE4U reinavam nessa época, com músicas de fundo e sons de cliques em botões.

Ainda no HTML4, tratávamos arquivos de áudio de forma precária, pois além dos arquivos .SWF, reinavam plug-ins de Real Player, Quicktime e muitos outros. Esses plug-ins já faziam uso do elemento <object> para reproduzir seus arquivos multimídia (vale lembrar que o elemento <embed>, muito utilizado nessa época, não fazia parte do padrão W3C e só veio entrar depois na especificação do HTML5). Isso se mostrou um caso de uso importante, já que sem esses plug-ins não seria possível o YouTube ser criado em 2005, por exemplo. O problema era a necessidade de um plug-in no navegador para acessar esse conteúdo.

Finalmente dentro do HTML5, o áudio na Web começou a ser tratado como realmente deveria: com respeito pelos grandes players da Web.

Foi em 2007 que começaram a surgir as primeiras referências a um elemento nativo para reproduzir exclusivamente áudio na Web. Em 2008, o elemento <audio> apareceu dentro da primeira versão da documentação do HTML5.

A chegada do elemento <audio> teve um impacto muito maior do que o <bgsound> por um simples motivo: o novo elemento foi criado dentro de um consórcio internacional, em parceria com os demais players do mercado. Opera, Mozilla, Microsoft, Google, Apple e muitas outras empresas participaram da construção do padrão que deveria ser interoperável entre os navegadores, e não funcionar apenas em um browser. Apesar da batalha entre os codecs, com o elemento <audio> foi possível oferecer ao usuário outras fontes e formatos, caso o navegador não desse suporte a um determinado codec. A tag <audio> foi muito importante para o HTML5, mas esse elemento sozinho não é poderoso o suficiente para modernas aplicações de áudio. Para aplicações como jogos na Web ou aplicações interativas mais elaboradas, era necessário ir além.

A necessidade de aplicações mais complexas foi a principal motivação para o desenvolvimento da Web Audio API. Essa especificação descreve uma API JavaScript de alto nível para processar e sintetizar áudio em aplicações web. E o mais legal de tudo isso foi que a API foi criada baseada em casos de uso já existentes, ou seja, foi construída com a ajuda de quem já tratava o áudio na Web de forma profissional. Uma navegada na documentação (que em junho de 2015 tinha seu status em Working Draft) mostra o quanto as possibilidades de uso são grandes: desde efeitos e mixagens até a integração com MediaStream usando getUserMedia(). Uma busca no caniuse.com por “Web Audio API” mostra que a API já é amplamente suportada pelos principais browsers do mercado.

A Web deixou de ser aquele amontoado de links há muito tempo.  O áudio na Web cresceu, mas acho que ele e ainda é um adolescente. Vamos ver (na verdade ouvir) essa evolução cada vez mais depressa com a Web embarcada em mais dispositivos e cada vez mais presente em nossa vida. Lembrar-nos do passado nos dá informação para planejar o futuro melhor.

***

Este artigo foi publicado originalmente na Revista iMasters #15: http://issuu.com/imasters/docs/revista_imasters_15_agosto2015