código

1 out, 2020

Go vs Elixir, primeiras impressões

100 visualizações
Publicidade

Antes de tudo uma explicação: estou escrevendo este post baseado nas minhas impressões depois de aproximadamente um mês lendo bastante sobre Elixir, vendo linhas e linhas de código e finalizando algumas tarefas com a linguagem. Por isso já deixo aqui minhas desculpas por erros grosseiros que eu possa cometer quando estiver escrevendo sobre a linguagem.

Porque escrever este post agora, com pouca experiência? São dois motivos: o primeiro é que uma das melhores formas de aprender é ensinar algo, então este post está me ajudando a fortalecer o pouco que já conheço. O outro motivo é para poder receber feedback o mais rápido possível, o que deve acelerar meu aprendizado.

Quem me conhece sabe que eu sou muito fã de música, especialmente rock e heavy metal. Isso, aliado a meu amor por tecnologia, gerou várias analogias estranhas no passado:

Quer melhorar como palestrante? Faça como o Metallica!

Três lições que o AC/DC pode dar para sua carreira

Se as empresas fossem bandas de rock

Frameworks PHP e analogias

Programador Dave Grohl e não Axl Rose

Então, seguindo essa minha tradição, aqui vai mais uma analogia:

Go é o Motorhead, Elixir é o Pink Floyd

Esclarecendo um pouco:

  • Go é uma linguagem que tem como um dos seus focos a simplicidade. A linguagem tem apenas 25 palavras reservadas (breakcasefor, etc), não existe mais de uma forma de se fazer a mesma coisa (não existe loopwhileuntil, etc, apenas for). Mas não se engane ao pensar que essa simplicidade é sinônimo de pouco poder, afinal Docker, Kubernetes, e centenas de empresas usam a linguagem para desenvolver produtos complexos. A simplicidade é uma decisão de projeto. Da mesma forma, o Mothorhead era um power trio (guitarra, baixo e bateria) e eles entraram para a história como uma das bandas mais importantes do rock, influenciando gerações inteiras. motorhead
  • Elixir é uma linguagem rebuscada, com construções mais complexas, dando muito mais liberdade para o desenvolvedor criar suas soluções. Além disso, é uma linguagem funcional, o que permite soluções mais elegantes para diversos problemas. Assim como o Pink Floyd foi um dos expoentes do chamado rock progressivo, com composições complexas e elegantes. pink_floyd

Tradição respeitada, vamos para o restante do post

O que é parecido

Tratamento de erros

Apesar de Elixir ter mais formas de tratar erros, uma delas me lembrou bastante o que é usado na linguagem Go:

//a função os.Open retorna o acesso ao arquivo 
//ou um erro caso contrário
file, err := os.Open("file.go")
if err != nil {
	log.Fatal(err)
}

Em Elixir a construção é similar:

iex> File.read("path/to/existing/file")
{:ok, "... contents ..."}
iex> File.read("path/to/unknown/file")
{:error, :enoent}

Esse formato é bem comum em várias funções que encontrei nos meus estudos. O :ok e o :error são Atoms, uma constante cujo valor é seu próprio nome.

O que é diferente

A comunidade Elixir gosta muito de frameworks, ao contrário da comunidade Go, que prefere usar ao máximo a biblioteca padrão.

O lado bom disso é que existem frameworks muito maduros, como o Phoenix. O lado ruim é que para começar a fazer algo útil você precisa aprender além da linguagem e dos conceitos funcionais um framework como o Phoenix (rotas, o wrapper de banco de dados Ecto, etc). Isso é uma bela duma sobrecarga inicial.

O que eu gostei

Pattern Matching

Pattern maching é uma das features mais poderosas e assim como muitas outras herdada da Erlang, que é a linguagem em que Elixir se baseia.

Nestes dois posts o Philip Sampaio faz uma ótima introdução:

Algo legal que é possível fazer com o pattern matching é criar guard clauses, que deixam o código bem mais elegante.

Um exemplo simples, em Go:

func factorial(n uint64)(result uint64) {
   if (n > 0) {
      result = n * factorial(n-1)
      return result
   }
   return 1
}

Seria escrito em Elixir da seguinte forma:

defmodule Factorial do
 def of(0), do: 1
 def of(n) when is_integer(n) and n > 0 do
	 n * of(n-1)
 end
end

Mais exemplos podem ser vistos nessa documentação: https://hexdocs.pm/elixir/guards.html

Pipes

Pipes são uma forma bem interessante de aplicar um conceito bem antigo, o mesmo usado pelo Unix. Pequenas funções (programas no caso do Unix) que fazem apenas uma coisa, mas que usadas em conjunto permitem a criação de funcionalidades complexas.

Por exemplo, em Go:

//pseudo-código, simplificado ;)
people,err := findCustomers()
orders,err := findOrders(people)
tax,err := salesTax(orders, 2018)
filing,err: = prepareFiling(tax)

Em Elixir poderia ser escrito da seguinte forma:

filing = DB.find_customers
   |> Orders.for_customers
   |> sales_tax(2018)
   |> prepare_filing

Resumindo, o resultado de uma função é passado como o primeiro parâmetro da próxima. Mais exemplos podem ser encontrados na documentação: https://elixirschool.com/en/lessons/basics/pipe-operator/

O que eu não gostei

  • Muita mágica. Provavelmente essa sensação é comum para quem está iniciando na linguagem, mas principalmente ao trabalhar com o Phoenix, fiquei me perguntando “de onde veio essa função?”. Em Go as coisas são muito mais explícitas (alguns diriam que até demais hehe)
  • Muitas formas de se fazer a mesma coisa. Ao mesmo tempo que isso pode ser bom, permitindo algoritmos mais complexos, é ruim porque permite algoritmos mais complexos 🙂 Ter apenas uma forma de se fazer as coisas mais básicas ajuda bastante para quem está iniciando na linguagem, e até nos code reviews conforme o projeto evolui.
  • O código é pouco legível. O que é retornado da função? Como?

Ahh como faz falta um return a definição do tipo das variáveis… Olhando para o código:

defp do_update_car(car, params) do
    car
    |> Car.changeset(params)
    |> Repo.update()
  end

Me parece bem mais complexo, para um iniciante, identificar os possíveis valores dos parâmetros e o que vai ser retornado. A tipagem forte do Go ajuda muito no aprendizado e no code review, principalmente para novos desenvolvedores

  • A IDE. O Visual Studio Code tem ótimos plugins para se trabalhar com Elixir, mas as ferramentas para Go são muito mais avançadas, principalmente o Goland, da Jetbrains. O autocomplete, debug e inspect das funções é muito mais eficiente, provavelmente devido a tipagem forte da linguagem
  • Documentação e posts antigos. A grande maioria dos posts que encontrei são antigos, poucos de 2019 mas uma grande quantidade mais antiga do que 2018. Mas isso não necessariamente é algo ruim, pode ser que as mudanças da linguagem/comunidade tenham um ritmo menos frenético do que a comunidade Go.

Conclusões

Aprender uma linguagem é sempre uma mistura de alegrias e frustrações. Ainda tenho muito chão pela frente para me sentir produtivo na linguagem, mas as primeiras impressões foram bem legais.

Se você é dev Go e quer começar a aprender Elixir, eu recomendo a leitura dos guias do site oficial como um bom começo. Após a leitura dos guias eu li este livro e me recomendaram este. Aliás, o preço dos livros é outro item da lista “Não Gostei”…

Se você conhece Elixir e encontrou erros no meu texto por favor comente abaixo, para me ajudar a aprender da forma correta.

P.S.: se eu gosto mais de Motorhead ou Pink Floyd? Talvez essa foto do meu gato Lemmy dê uma dica 😉

lemmy