Desenvolvimento

Desenvolvimento

Red Hat Summit 2018: uma tarde dedicada a participação da mulher no open source

10 mai, 2018
Publicidade

Na parte da tarde, neste segundo dia de Red Hat Summit, tivemos um momento, no palco principal, dedicado a participação das mulheres no mundo open source. DeLisa Alexander, chief people officer da Red Hat, apresentou as duas ganhadoras do prêmio Woman Open Source, que prestigiou duas mulheres que criaram projetos diferentes, mas ambos voltados para a saúde, usando tecnologias open source.

Em seguida, DeLisa e Tim Yeaton, vice-presidente executivo da Red Hat, apresentaram o Co.LAB. Uma ação da Red Hat, em parceria com Boston University, Boston After School & Beyond e Sociedad Latina para ensinar meninas da Timilty Middle School e da Mario Umana Academy sobre open source. No projeto, eles aprendem a usar um computador Raspberry PI e tecnologias da Red Hat para criar uma máquina fotográfica.

“A nossa ideia é conscientizar essas crianças para o futuro, para fazer com que elas cresçam entendendo a importância da colaboração e que existe muito futuro nisso – para elas e para o mundo”, explicou o vice-presidente executivo na Red Hat Summit.

Outro ponto do programa é colocar as meninas em contato com mentoras da Red Hat, trabalhando nessas a importância da mulher no mundo da TI e do desenvolvimento. Mostrando exemplos a serem seguidos. “Ao trabalhar ao lado desses modelos, as alunas praticaram conceitos importantes para codar e sobre fotografia e aprenderam sobre os passos que essas mulheres deram para se tornarem profissionais do STEAM”, pontou Yeaton.

Algumas das meninas que participaram do projeto estavam no palco e puderem dar seus depoimentos sobre como sua visão sobre o que ela tecnologia mudou depois que elas tiveram contato com o programa. “Antes, eu achava que tecnologia era uma coisa muito difícil, muito longe da minha realidade… Hoje, eu sei construir uma câmera! E fiz isso usando tecnologia que alguém criou. Um dia eu vou poder colaborar com os códigos de outras pessoas também”, disse uma delas. “A gente recebe um cartãozinho no programa que diz ‘o mundo precisa de mais pessoas como você’. Hoje, eu sei que o muito precisa de mais pessoas como cada um de nós, porque todos podemos fazer muito; podemos colaborar com o mundo”, comentou outra.

Em seguida, Saron Yitbarek, fundadora da CodeNewbie, subiu ao palco e contou um pouco mais sobre os seus esforços para expandir o mundo do open source. Para tal, ela criou o CodeNewbie, que como sugere o nome, dá suporte para quem está começando no mundo do desenvolvimento. Para finalizar sua palestra, Saron lembrou que o progresso vem da frustração: “os desafios pessoais, como raiva, frustração, diversidade, justiça social e medo estão refletidos em nossos códigos. Isso aparece em nossas organizações e em como fazemos nossos produtos. Tem sempre um código e… algo mais!”, finalizou.

Em seguida, Sara Chipps, CTO da Jewelbots, subiu ao palco. A Jewelbots é uma empresa que ensina código para meninas através de braceletes que são inteligentes e programáveis. Ela veio para trazer uma notícia muito importante: Who runs the world? Girls! De acordo com a CTO, seu maior público, acreditem, são meninas ente 9 e 14 anos.

E para provar, ela trouxe ao palco do Red Hat Summit Ellie, uma garota de 11 anos, para mostrar o que ela vem aprendendo. E ali, para milhares de pessoas, a garota fez uma demo em C++ e programou seu bracelete.