Desenvolvimento

9 mai, 2018

Novidades do Red Hat Summit 2018

visualizações
Publicidade

Este ano, o iMasters foi convidado para cobrir um dos maiores eventos de open source do mundo, o Red Hat Summit, que acontece em San Francisco, Califórnia, de hoje a quinta-feira (10/05).

Jim Whitehurst, CEO da Red Hat, abriu a 14ª edição do Red Hat Summit falando um pouco do tema do evento neste ano: “we share, we grow!” (em português, “nós compartilhamos, nós crescemos”. O novo slogan aponta para o desejo da empresa de co-criar com os desenvolvedores do mundo todo, trabalhando para um melhor mais acessível.

Depois, Paul Cormier, presidente de produtos e tecnologia, subiu ao palco e fez um paralelo interessante entre a evolução do mundo da tecnologia e a da própria Red Hat. Desde os primeiros softwares, até a era da nuvem. “Antes da gente, já existia gente inovando por aí… Fazendo muito pelo mercado. Nós chegamos para agregar e inovar do nosso jeito. E estamos fazendo isso desde então com o que entendemos ser o melhor para o mercado: os softwares open source e a cultura da colaboração”.

O ponto alto do Red Hat Summit foi a execução, ao vivo, da implementação de uma nuvem híbrida, mostrando como distribuir cargas de trabalho em toda infraestrutura de nuvem. Dentre todos os anúncios da empresa, essa se mostrou a grande sacada. É a menina dos olhos da Red Hat para 2018 e a empresa conseguiu apontar, em questão de poucos minutos no palco, a importância de mesclar o que se tem de melhor da nuvem privada e da pública – e claro, como eles fazem essa mescla de forma exímia. Isso porque, de acordo com Cormier, a empresa tem o ecossistema adequado para essa transição: o Linux Foundation e as plataformas de nuvem + Kubernets + gerenciamento e soluções automatizadas.

“Ao ampliar nossa parceria com a Microsoft, podemos oferecer a plataforma Kubernetes de forma mais abrangente, fornecendo aos clientes a capacidade de aproveitar melhor a inovação em toda a nuvem híbrida sem sacrificar a estabilidade da produção”, pontuou Cormier.

Além disso, a empresa anunciou outras novidades para 2018 tão importantes quanto, como a parceria com a Azure, da Microsoft, para o desenvolvimento, implantação e manutenção de aplicativos em containers em toda nuvem pública.

O suporte da IBM ao OpenShift, numa tentativa de acelerar a adoção da nuvem híbrida foi outra grande revelação da empresa. Através do acordo, os clientes da IBM e da Red Hat podem agora:

  • Maximizar seus investimentos em tecnologia existentes e movê-los com mais facilidade para a nuvem híbrida com o IBM Cloud Private e o Red Hat OpenShift servindo como base comum;
  • Construir e implementar aplicativos em contêiner em uma única plataforma de contêiner integrada, o IBM Cloud Private, fornecendo uma visão única de todos os dados corporativos;
  • Permitir que os desenvolvedores projetem, modernizem e implantem novos aplicativos mais rapidamente, aproveitando os serviços baseados em nuvem da IBM, como inteligência artificial (IA), Internet das coisas (IoT) e blockchain com o IBM Cloud Private no Red Hat OpenShift Container Platform.

Como parte do acordo, a IBM estenderá suas plataformas de nuvem privada (IBM Cloud Private e IBM Cloud Private for Data) e suas ofertas de middleware para a Red Hat OpenShift Container Platform como Red Hat Certified Containers.

E por fim, a integração do OpenShift com o CoreOS, em que a distribuição Atomic e o conteinar Linux conseguem conversar muito bem com o CoreOS. Isso permite a entrega de uma infraestrutura imutável e operações automatizadas do OpenShift.

Com operações automatizadas, as equipes de TI poderão usar as atualizações automatizadas do Tectonic em conjunto com a confiabilidade, o suporte e os amplos recursos de desenvolvimento de aplicativos do OpenShift. Isso facilita o gerenciamento de implantações do Kubernetes em escala, com a grande maioria das tarefas de manutenção executadas automaticamente, diminuindo a necessidade de ação constante do administrador e fornecendo uma abordagem de “apagar as luzes” para a supervisão do cluster.

“Acreditamos muito que a integração das tecnologias de automação do CoreOS com as soluções de infraestrutura da Red Hat redefinirá a nuvem híbrida, mesclando a simplicidade das implantações de nuvem pública com a segurança aprimorada da computação em nuvem privada”, afirmou Ashesh Badani, vice presidente e gerente geral da empresa no Red Hat Summit.

Ao longo do dia, várias palestras, roundtables e cases foram apresentados, envolvendo as tecnologias oferecidas pela companhia.

Acompanhe ao vivo nossa cobertura pelo Twitter, através da nossa página e da #iMastersnaRHSummit