DevSecOps

23 jul, 2015

8 dicas fáceis de desempenho para seu ambiente Linux

100 visualizações
Publicidade

Para a maioria dos usuários que se acostumaram a um ambiente Windows ao longo dos anos, o Linux pode parecer um outro mundo. Em essência, o Linux é um sistema operacional de código aberto gratuito que ganha cada vez mais popularidade desde seu lançamento em 1991. O Linux é baseado em todo o ecossistema Unix de sistemas operacionais que cresceram a partir dos Laboratórios Bell no início de 1970, ou seja, tem em torno de 25 anos e cresceu imensamente no final de 1990 e início dos anos 2000, quando se tornou associado com a pilha LAMP de desenvolvimento web, onde L representa Linux, juntamente com Apache (A), MySQL (M) e PHP/Perl/Python (P).

linux-1

A principal diferença que qualquer usuário vai notar facilmente entre Linux e Windows é que, no caso de instalações de servidores Linux, não é usual instalar a interface gráfica de usuário por padrão, mas, em vez disso, deixá-lo com uma interface de linha de comando. O ambiente de linha de comando é muito diferente do que apenas clicando em ícones no Windows. Considere algo como isto:

#!/bin/bash
# My first script echo “Hello World!”

Ou considere comandos como “mkdir” para a criação de um diretório, ou “ls” para listar o conteúdo de um. Mais uma vez, para os usuários tradicionais de Windows, o Linux vai parecer como uma língua estrangeira em um primeiro momento.

Apesar de uma curva de aprendizado inicial, a recompensa vale a pena, pois o Linux é uma plataforma extremamente versátil e poderosa. Na verdade, uma das razões para sua popularidade global é que ela pode ser usada para muitos outros fins que não apenas um sistema operacional. Na gama de usos do Linux estão cobertos servidor web ou servidor de intranet de empresas, um CMS ou servidor CRS, um servidor de arquivos que serve conteúdo em redes Windows ou Linux, um servidor de voz sobre IP para telefonia, e-mails ou nomes de domínio (DNS), servidores de bancos de dados, como um nó de infraestrutura em um ambiente de cloud computing e muito mais.

linux-2

Como acontece com qualquer infraestrutura de tecnologia, sua instalação Linux irá requerer especial atenção para garantir que você esteja recebendo o melhor negócio em termos de desempenho. Você vai querer manter seu ambiente funcionando tão bem e eficazmente quanto possível, e evitar quaisquer desafios para as suas aplicações críticas de negócios. A seguir, temos oito dicas fáceis de desempenho que ajudarão a manter seu ambiente Linux em forma. Boa leitura!

1. Desativar componentes desnecessários

O Linux vem com um grande número de componentes e serviços de background que são executados em todos os servidores, mas que não são absolutamente necessários. O problema é que esses recursos “extras” tiram do ambiente valiosos recursos de RAM e CPU. O melhor lugar para desativá-los é nos scripts de inicialização que iniciam esses serviços no momento da inicialização. A desativação desses serviços irá liberar memória e diminuir o tempo de inicialização. Exemplos de recursos que devem ser revistos são alguns dos painéis de controle populares, como Cpanel, Plesk, Webmin, e phpMyAdmin. A desativação desses pacotes de software pode liberar em torno de 120MB de RAM no seu sistema, e é ideal desativá-los, principalmente se você não os utiliza.

2. Fique em dia com as atualizações do sistema

O Linux é uma plataforma open source que possui um grande número de distribuições, como Ubuntu, Fedora, CentOS, Mint e muito mais. A versão mais popular é o Ubuntu. Seja qual for a versão do Linux que você estiver usando, é importante que você se comprometa a manter o software atualizado e robusto. Novas correções e patches de segurança são lançados ocasionalmente ou em cada novo lançamento. Assim, a melhor prática é sempre atualizar o software para a versão mais recente estável de qualquer plataforma Linux que você utilize. Isso irá garantir que você mantenha todos os seus clientes, serviços e aplicações rodando de forma mais segura. Também é recomendado que você tenha uma sandbox sempre preparada, pois nela será possível testar atualizações e detectar possíveis problemas antes de executá-las no modo de produção.

3. Livre-se da interface gráfica

A característica mais distinta do Linux é que ele não requer uma interface gráfica; em vez disso, tudo pode ser executado a partir da linha de comando. Para algumas pessoas, essa interface de linha de comando é tão intuitiva quanto a versão gráfica, enquanto que para outros (como usuários puramente do Windows) é um conceito estranho. Em qualquer caso, quando você está em um território Linux sem interface gráfica, pode economizar ciclos de CPU e memória, sem mencionar que poderá contornar possíveis problemas de segurança com mais rapidez. A fim de desativar a interface gráfica, o “nível init” do sistema deve ser ajustado para 3 (na linha de comando, durante o login) em vez de 5 (login gráfico). Se for absolutamente necessária uma interface gráfica, esta poderá sempre ser iniciada manualmente com o comando startx.

4. Sintonize o seu TCP

Manter seu protocolo TCP otimizado ajuda a melhorar o rendimento da rede para aplicações que exigem conectividade frequente. É especialmente recomendado que você use tamanhos maiores de pilhas TCP para comunicações através de redes amplas, com grande largura de banda e atraso longo de atualização; este tweak ajuda a melhorar as taxas de transferência de dados.

linux-3

5. Otimize seu virtualbox

Uma maneira popular de executar o Linux é dentro de um ambiente virtual, usando uma máquina virtual como o VirtualBox ou VMware Player para que o Linux/Ubuntu possa ser executado em uma janelas no seu Windows existente ou então em um desktop Mac. As vantagens são que as VMs podem ser usadas para testar o sistema em um ambiente como uma sandbox, mas que não tem que ser totalmente compatível ou entrar em contato com a máquina host ou mesmo com o hardware físico da máquina. Utilizar VirtualBox é apenas uma forma de executar outro host, há uma série de otimizações que você vai querer fazer em sua ferramenta preferida de máquina virtual, como desativar serviços desnecessários, otimizando o desempenho, aliviando a carga e bloqueando publicidade. Para uma análise mais detalhada de otimizações e correções para máquinas virtuais Linux, consulte este artigo.

6. Verifique se as configurações são apropriadas para MySQL e Apache

Seu ambiente Linux não é executado isoladamente; outros serviços integrados importantes, tais como MySQL e Apache, também devem ser otimizados a fim de obter mais fora de sua pilha Linux. Por exemplo, para aumentar a memória RAM acessível (ou alocar mais RAM somente para o MySQL), é uma boa ideia ajustar os tamanhos de cache do MySQL (dependendo de suas necessidades e do tamanho das requisições MySQL). O mesmo vale para o Apache. A verificação dos StartServers e das diretivas MinSpareServers irá lhe dizer quanta memória o Apache utiliza. O ajuste dessas configurações vai ajudar você a economizar memória RAM em até 30-40%.

7. Aprenda os cinco comandos básicos de desempenho do Linux

Há 5 comandos básicos no Linux que todo usuário deve saber; são eles: top, vmstat, iostat, free e sar. Esses comandos oferecem diversas óticas sobre tudo, desde o tempo de atividade atual e carga do sistema até o uso da CPU para as principais estatísticas de memória. Para uma visão abrangente desses comandos, consulte este artigo aqui.

8. Revise e limpe módulos ou recursos adicionais

Semelhante à desativação de serviços extras mencionados acima, é importante rever quaisquer outros módulos ou recursos que podem gastar CPU e memória do sistema. Por exemplo, revisar os arquivos de configuração do Apache e decidir se são necessários apoio de módulos do FrontPage ou outros módulos extras. Ajuste ou mesmo remova esses módulos, o que vai ajudar a economizar memória e aumentar a velocidade global dentro de seu ambiente Linux.

***

Ralph Eck faz parte do time de colunistas internacionais do iMasters. A tradução do artigo é feita pela redação iMasters, com autorização do autor, e você pode acompanhar o artigo em inglês no link: http://www.monitis.com/blog/2015/06/08/9-easy-performance-tips-for-your-linux-environment/