Desenvolvimento

27 fev, 2019

The Velopers #4 – Diana Arnos

100 visualizações
Publicidade

Na edição #4 do The Velopers, o community manager do iMasters, Rodrigo Pokemao, conversou com Diana Arnos, desenvolvedora web, tech lead da Mgov, evangelista do PHP SP e do PHP Woman BR.

Diana Arnos falou sobre sua carreira, além de educação, kung-fu, poker, trabalho remoto, palestras, metal e muito mais.

Você pode acompanhar parte do bate-papo a seguir. Mas se quiser assistir à conversa completa, basta acessar o vídeo do canal do The Velopers no Youtube, no final da página.

O bate-papo

Pokemao – Fala um pouco sobre você.

Diana – Eu sou desenvolvedora já faz alguns anos. Fui Help Desk, Virei analista, fui analista de negócios, analista de sistemas, virei Dev desktop, entrei no mundo web, com PHP e estamos aí, até hoje.

Pokemão – Isso é coisa boa, faz tudo mesmo. Nossa profissão é maravilhosa.

Diana – Eu podia ter sido aquela criança que iria ser gênio. Eu comecei a programar muito pequena, oito ou nove anos, que foi quando meu pai comprou um computador usado de um amigo dele, que era um 486. Ai eu comecei a mexer com HTML e fazer aqueles “guest book”.

Pokemao – Ual! Pessoal que não lembra, isso era a melhor funcionalidade da web. Exatamente por isso que foram criadas várias linguagens, só para fazer guest book.

Diana – E dava problemas. Eu começava a fuçar, quebrava o computador, eu ficava de castigo. Eu sempre caí para essa área de tecnologia, montava e desmontava coisas. Um dia eu desencanei. Fui fazer faculdade de história. Mas parei a faculdade no meio e decidi trabalhar com computação.

Na sequência, Diana falou sobre sua formação posterior em Ciência da Computação. Ela contou que começou a fazer programação no fim da faculdade, quando virou desenvolvedora C-Sharp.

Uma história que ela lembrou foi sobre uma professora que a orientava a seguir o caminho de uma “linguagem mais robusta, como Java e C-Sharp”. Mas, Diana insistiu no PHP, programação que ela continua trabalhando até hoje.

Diana se apaixonou, em seguida, por Poker. As regras, os conceitos matemáticos e os meta pensamentos foram alguns dos itens que a fizeram estudar sobre o jogo. Ela disse que achava divertido ter que analisar o comportamento dos adversários nas partidas. Algo que ela chama de “hobby lucrativo”.

Ela falou, ainda, sobre seu papel de liderança, definindo processos, criando caminhos para a comunicação, ao mesmo tempo em que se preocupa em fazer com que seu time execute as tarefas da melhor maneira possível.

Pokemao – E você também é palestrante. Como você liga essas coisas e como elas te ajudaram?

Diana – Toda experiência que você tem de um lado, você acaba, sem querer, replicando nos outros lados. E tem a ver com essa questão de querer compartilhar da melhor maneira possível.

Eu aprendi assim. Na minha carreira toda, eu sempre tive pessoas muito boas perto de mim, que sempre me ajudaram de graça, sem querer nada em troca. 

“Eu acredito que a informação e o conhecimento devem ser espalhados. E não necessariamente você deve cobrar por isso.”
– Diana Arnos.

Continuando o bate-papo, Rodrigo Pokemao entrou em um assunto que Diana gosta muito.

Pokemao – E além disso, você é cantora.

Diana – Tenho uma banda de heavy metal que faz uns 12, 13 anos, além de 2 CDs lançados e a gente tá voltando a compor. Essa é outra coisa que eu não conseguiria largar da minha vida.

É o mesmo conceito de compartilhar coisas. Acredito que meu propósito de vida é fazer o mundo um lugar melhor e ajudar as pessoas da melhor maneira possível. 

E criar música faz parte disso. Você conta uma história e a pessoa vai no show, ela esquece do resto da vida. Poder criar ou compartilhar um sentimento em alguma letra de música é bacana.

Pokemao – O processo criativo de composição e de programação tem alguma ligação?

Diana – Quando eu quero resolver um problema de programação, eu paro na frente do computador e fico pensando em qual maneira de fazer. Você tem um processo criativo.

Com a música é mais ou menos a mesma coisa. Sempre tem uma ideia. E aí é pensar como eu vou construir em volta dessa ideia para criar uma música que me satisfaça.

Pokemao – E além disso, você ainda tem tempo de participar da comunidade ativamente. Como você consegue lidar com tudo isso?

Diana – Ás vezes eu tenho que ser muito metódica com o resto de minha vida. Eu me conheço e eu posso perder a mão e ficar uma bagunça. Então, eu sei que o tempo que eu estou no trabalho, é do trabalho. Meu tempo está inteiro ocupado.

Diana falou ainda sobre as comunidades PHP SP e PHP Woman, criado para integrar mulheres da área de tecnologia. E deixou um recado: “não desistam!”.

Veja a seguir o bate-papo completo com Diana Arnos. Basta acessar o link do vídeo do Canal do The Velopers no Youtube.