Data

3 mar, 2015

Replicação MySQL em 5 minutos

2523 visualizações
Publicidade

Configurar a replicação do MySQL é extremamente simples. Este artigo demonstra como criar em minutos um master replicando para um slave.

A replicação é um recurso nativo do MySQL e tem vários usos, tais como como backup, alta-disponibilidade, redundância e distribuição geográfica de dados, escalabilidade horizontal, entre outros.

Para este teste simples, vamos usar o Linux e configurar a replicação no MySQL 5.6 entre duas instâncias: uma master e outra slave. Serão criadas duas instâncias MySQL a partir do zero, ou seja, sem dados. Elas estarão na mesma máquina, mas respondendo em portas diferentes: 3310 e 3311.

O único pré-requisito é ter o MySQL 5.6 instalado.

  • Caso o tenha instalado, basta usar o caminho onde está o bin/mysqld como basedir nos passos abaixo. Por exemplo, no Oracle Linux 7 ou RHEL 7 o binário fica em /usr/sbin/mysqld, portanto basedir=/usr;
  • Caso ainda não tenha os binários do MySQL 5.6, basta baixar o arquivo TAR e descompactar em algum diretório conveniente que será seu basedir, como por exemplo /opt/mysql/mysql-5.6:
# mkdir /opt/mysql
# cd /opt/mysql
# wget http://dev.mysql.com/get/Downloads/MySQL-5.6/mysql-5.6.23-linux-glibc2.5-x86_64.tar.gz
# tar xvzf mysql-5.6.23-linux-glibc2.5-x86_64.tar.gz
# rm mysql-5.6.23-linux-glibc2.5-x86_64.tar.gz
# mv mysql-5.6.23-linux-glibc2.5-x86_64 mysql-5.6
  • Observações: neste caso considere para os passos abaixo basedir=/opt/mysql/mysql-5.6; tente trabalhar sempre com as versões mais recentes – substitua 5.6.23 nos comandos acima caso outra mais atual esteja disponível em http://dev.mysql.com/downloads/mysql.

Para um tutorial completo de como criar uma VM com MySQL para testes, veja aqui.

Replicação simples

  • Crie uma instância para ser o Master:
# mkdir /opt/mysql/master /opt/mysql/master/data /opt/mysql/master/tmp
# cd /opt/mysql/master
# nano master.cnf
[client]
port=3310
socket=/opt/mysql/master/tmp/my-master.sock

[mysql] 
prompt=master>\\_

[mysqld]
server-id=10
port=3310
basedir=/usr
datadir=/opt/mysql/master/data
socket=/opt/mysql/master/tmp/my-master.sock
log-bin=master-bin.log
innodb_flush_log_at_trx_commit=1
sync_binlog=1
# chown mysql:mysql *
# /usr/bin/mysql_install_db --defaults-file=/opt/mysql/master/master.cnf --user=mysql
  • Inicie e teste a nova instância:
# /usr/bin/mysqld_safe --defaults-file=/opt/mysql/master/master.cnf &
# mysql --defaults-file=/opt/mysql/master/master.cnf -uroot -p
master> SHOW VARIABLES LIKE 'port';
+---------------+-------+
| Variable_name | Value |
+---------------+-------+
| port          | 3310  |
+---------------+-------+

Observação: quando necessário, para parar o processo MySQL, faça um shutdown limpo:

# mysqladmin --defaults-file=/opt/mysql/master/master.cnf -uroot –p shutdown
  • Abra outro terminal e crie outra instância para ser o Slave:
# mkdir /opt/mysql/slave /opt/mysql/slave/data /opt/mysql/slave/tmp
# cd /opt/mysql/slave
# nano slave.cnf
[client]
port=3311
socket=/opt/mysql/slave/tmp/my-slave.sock

[mysql] 
prompt=slave>\\_

[mysqld]
server-id=11
port=3311
basedir=/usr
datadir=/opt/mysql/slave/data
socket=/opt/mysql/slave/tmp/my-slave.sock
log-bin=slave-bin.log
innodb_flush_log_at_trx_commit=1
sync_binlog=1
# chown mysql:mysql *
# /usr/bin/mysql_install_db --defaults-file=/opt/mysql/slave/slave.cnf --user=mysql
  • Inicie e teste a nova instância:
# /usr/bin/mysqld_safe --defaults-file=/opt/mysql/slave/slave.cnf &
# mysql --defaults-file=/opt/mysql/slave/slave.cnf -uroot -p
slave> SHOW VARIABLES LIKE 'port';
+---------------+-------+
| Variable_name | Value |
+---------------+-------+
| port          | 3311  |
+---------------+-------+
  • Agora que temos duas instâncias com server-id’s diferentes e log-bin habilitado, crie um usuário na instância master para que a slave consiga conectar-se a ela:
master> CREATE USER repl_user@127.0.0.1;
master> GRANT REPLICATION SLAVE ON *.* TO repl_user@127.0.0.1 IDENTIFIED BY 'repl_user_password';

Observação: em uma instalação real, a instância slave provavelmente estará em outro host – substitua 127.0.0.1 pelo IP do host onde está sua instância slave.

  • Antes de iniciar a replicação, verifique o status no master:
master> SHOW MASTER STATUS \G
*************************** 1. row ***************************
             File: master-bin.000003
         Position: 433
  • Use os dados do status acima e inicie a replicação no slave:
slave> CHANGE MASTER TO 
    MASTER_HOST='127.0.0.1', 
    MASTER_PORT=3310, 
    MASTER_USER='repl_user',
    MASTER_PASSWORD='repl_user_password',
    MASTER_LOG_FILE='master-bin.000003',
    MASTER_LOG_POS=433;
slave> START SLAVE;
  • Teste básico:
master> CREATE DATABASE teste_repl;
master> CREATE TABLE teste_repl.simples (id INT NOT NULL PRIMARY KEY);
master> INSERT INTO teste_repl.simples VALUES (999),(1),(20),(5);

slave> SELECT * FROM teste_repl.simples;

Conclusão

Como vimos, é muito simples fazer funcionar a replicação no MySQL. Mais adiante veremos opções mais avançadas para tornar a replicação mais resiliente a erros (crash-safe) e implementar failover automático.

Referências