Carreira Dev

17 mai, 2019

The Velopers #29 – Morganna Giovanelli

100 visualizações
Publicidade

No The Velopers #29, a desenvolvedora Morganna Giovanelli participa de um bate-papo descontraído e cheio de informação com Rodrigo Pokemao, Community Manager do iMasters.

Morganna fala sobre sua carreira de desenvolvimento, C#, a criação do Caqui Coders, faculdade, comunidade, hackathons, dificuldades na área de desenvolvimento e muito mais.

A seguir, você acompanha parte da entrevista transcrita. E se quiser assistir ao bate-papo completo, basta acessar o vídeo do canal do The Velopers no YouTube, no final da página.

O Bate-papo

Pokemao – Como você começou com programação?

Morganna – “Na verdade, eu nunca tinha pensado em trabalhar na área de T.I., mas desde pequena eu sempre tive contato com tecnologia. Meu pai trabalha com tecnologia. Então, eu comecei a mexer no computador aprendendo a fazer coisas em DOS, anotava os comandos no caderninho e fui aprendendo.”

“Ainda assim, eu não me ligava muito nisso. Meu conho de princesa era ser médica. Queria fazer medicina. Só que tudo o que eu pensava na minha carreira para estudar, eu associava tecnologia junto. Eu queria ir para a neurologia, para área de geneticista (para mexer com biologia e tecnologia)… e na ápoca de fazer vestibular, uma das faculdades que eu me inscrevi foi a Fatec, para poder fazer informática.”

“Eu não passei em medicina e passei em informática. Já que era gratuita, eu fui fazer. Comecei a ver as matérias de programação e me apaixonei completamente. Acabei me envolvendo com a área de programação. Na ápoca, não terminei a faculdade, mas comecei a trabalhar com T.I. e suporte.”

“Depois de um tempo, já que eu não tinha feito a faculdade, eu quis fazer um curso na área. E acabei fazendo Técnico de Redes. Rolou só um pouquinho de paixão por infra. Para quem é Dev, passa muito rápido a paixão. Depois disso, assim que eu terminei o curso técnico de redes na ETEC, eu emendei a faculdade de análise e desenvolvimento de sistemas, que ainda estou cursando.”

Pokemao – Como é essa sua rotina? Você não mora e não estuda perto de onde você trabalha.

Morganna – “Eu estudo em Mogi, moro em Ferraz de Vasconcelos e trabalho no centro de São Paulo. Então, a minha casa tá no meio do caminho. Dá vontade de descer no meio do caminho e ficar em casa. Tem que ter muita força de vontade. Mas a gente acostuma, eu gosto muito do que eu faço.”

“É cansativo, mas vale à pena. Quando eu terminar, o resultado vai ser muito bom. Para mim, a faculdade tá fazendo muita diferença. Inclusive, quando eu terminar, quero fazer pós e pretendo continuar estudando.”

Caqui Colders

Pokemao – Vocês fazem muitos eventos na faculdade. E teve a criação do Caqui Colders. Como foi essa criação e como a faculdade ajudou vocês e vice-versa?

Morganna – “A gente teve essa sorte de ter essa abertura com os professores e com a direção para fazer o evento. A gente criou o Caqui Coders porque a gente mora longe. E teve um evento que a gente participou num sábado. A gente ficou o dia inteiro. E voltando, a gente começou a pensar sobre a galera que morava longe, mas tava lá no trem conversando sobre isso.”

“Aí a gente resolveu criar o grupo. E precisava pensar em um nome. Mogi é conhecida como a terra do Caqui. E a gente acabou usando a brincadeirinha do nome. É legal porque a galera pergunta e ajuda a divulgar a comunidade. A gente criou, mas e agora, a gente faz o que?”

“A partir daí, vem toda a dificuldade para fazer evento. É preciso achar lugar para fazer evento. É preciso achar ‘galera’ que participe. E a gente pensou: ‘já que somos da fatec, vamos fazer o primeiro evento na fatec’. Agora, já temos mais de um ano de comunidade.”

“E não é uma comunidade só de um tipo de tecnologia. É uma comunidade aberta a todo tipo de coisa que as pessoas precisem na região ou precisem falar ou precisem aprender.”

Linguagens

Pokemao – E das linguagens que você aprendeu, qual você se dá melhor?

Morganna – “C-Sharp e JavaScript são as linguagens que eu mais uso.”

Pokemao – Neste tempo, você que está na comunidade de C-Sharp, viu alguma diferença? Teve uma mudança muito grande de 2 ou 3 anos atrás, em relação ao que é hoje. Tem muito mais comunidade, é mais aberto. Até a cultura em volta da tecnologia Microsoft mudou um pouco. Como você enxergou?

Morganna – “Eu acho que melhorou bastante. Tem mais gente participando. Tem mais gente interessada em aprender. Não sei se é por causa do local que eu trabalho, mas eu vejo mais projetos surgindo para isso. E isso ajuda a fazer com que a comunidade cresça. Acaba mexendo tanto na comunidade, quanto no mercado.”

The Velopers

Se você quiser assistir ao bate-papo completo com Morganna Giovanelle, basta clicar no vídeo abaixo, do canal do The Velopers no YouTube.