Arquitetura de Informação

13 mar, 2019

Web faz 30 anos e criador reconhece problemas

visualizações
Publicidade

Tim Berners-Lee é conhecido como “pai da web”. Em 1989 ele apresentou uma proposta para o que se tornaria a world wide web. Para refletir sobre os 30 anos dessa invenção que mudou completamente a nossa sociedade, ele publicou recentemente uma carta aberta no site da Web Foundation.

“A web se transformou em praça pública, biblioteca, consultório médico, loja, escola, estúdio de design, escritório, cinema, banco e muito mais. É claro que com cada novo recurso, cada novo site, a divisão entre os que estão on-line e os que não estão, vai aumentando, tornando ainda mais imperativo fazer da internet um local disponível para todo o mundo”, disse Berners-Lee na carta.

Porém, Tim reconhece que há problemas: “ao mesmo tempo que a internet foi criando oportunidades, dando voz aos grupos marginalizados e facilitando nossas vidas diárias, também criou oportunidades para golpistas, dando voz àqueles que espalham o ódio e tornando mais fácil a perpetração de todos os tipos de crime.”

Opiniões dos desenvolvedores Web

O iMasters conversou com alguns desenvolvedores para saber a opinião deles sobre a web atual. Marcel Gonçalves dos Santos, por exemplo, considera a internet uma das melhores invenções feitas pelo ser humano para democratizar a informação. Ele diz que, se a WWW foi criada para ser uma simples rede de documentos, hoje tornou-se um enorme banco de dados distribuído, com inúmeras informações sobre quase todos os assuntos.

Marcel afirma que, “a rede tornou-se uma plataforma de aplicações distribuídas, que não precisam ser instaladas e que são atualizadas automaticamente”. Mas, o desenvolvedor também faz ressalvas: “Tudo o que vem para o bem pode ser utilizado de forma errada. Hoje, ajuda a propagar desinformação e a criar bolhas dentro de aplicações que possuem ‘cercas’ como é o caso do Facebook.

Lucas Santos é Desenvolvedor e trabalha com infraestrutura e arquitetura de aplicações de alta disponibilidade. Ele afirma que gosta da web e que a rede está cumprindo o seu papel. Porém, Lucas faz um alerta: “Existem pessoas que estão querendo transformá-la em uma ferramenta de controle. O que falta, na minha opinião, é educação das pessoas que usam a Internet.”

Lucas explica que as pessoas que nasceram antes da criação da web sabem o que é viver sem Internet e como as coisas funcionam de verdade sem ela. “Mas essa nova geração está desde pequeno já envolvida com tecnologia e isso faz um certo mal, porque substitui o esforço pelo clique de um botão. As pessoas já não sabem mais o que é se esforçar por algo, porque tudo está na mão”, disse Lucas.

“A web tem capacidade de ser algo de proporções maravilhosas. Eu até acho que ela vai chegar lá. Mas, agora as pessoas estão promovendo desinformação e desinteresse”.
– Lucas Santos, Desenvolvedor Web

Essa também é a opinião de João Neto, Engenheiro de Aplicações. Segundo ele, a Rede Mundial de Computadores agilizou a desinformação. “Muita gente tem recorrido tanto à inteligência coletiva, que está transformando a rede em burrice coletiva. Hoje o Whatsapp elege presidentes. Facebook e Google controlam o que as pessoas consomem de conteúdo. Eu acho que a tendência é piorar muito antes de melhorar”, explicou João.

Contrato

Diante da atual realidade, Tim Berners-Lee relatou na carta aberta que “à medida que a rede vai reformulando nosso mundo, temos a responsabilidade de garantir que ela seja reconhecida como um direito humano e construída para o bem público. É por isso que a Web Foundation está trabalhando com governos, empresas e cidadãos para construir um novo Contrato para a Web“. Esse contrato, segundo Berners-Lee, foi lançado em Lisboa, no Web Summit, “reunindo um grupo de pessoas que concordam que precisamos estabelecer normas, leis e padrões claros que sustentem a web”.

Isso não significa censurar a internet, segundo o criador. Ele explica que “os governos devem traduzir leis e regulamentos para a era digital. Eles devem garantir que os mercados permaneçam competitivos, inovadores e abertos. E têm a responsabilidade de proteger os direitos e liberdades das pessoas on-line. Precisamos de defensores de uma web aberta dentro do governo – funcionários públicos e autoridades eleitas que agirão quando os interesses do setor privado ameaçarem o bem público e se levantarão para proteger a rede aberta.”

“Se desistirmos agora de construir uma web melhor, então a web não terá falhado conosco. Nós teremos falhado para com a web”, concluiu Tim Berners-Lee.