Hackathon MundiPagg 2017 premia desenvolvedores brasileiros

PorRedação iMasters em

O Hackathon da MundiPagg aconteceu no Rio de Janeiro e dele participaram desenvolvedores de diversas empresas, como a MundiPagg, Stone, Pagar.Me, Equals e Cappta. Os devs foram divididos em grupos de 4 pessoas e, com o tema era livre, passaram 36 horas codando.

O principal objetivo do evento foi a integração das equipes e a troca de conhecimento entre pessoas de áreas diferentes de atuação dos participantes.

O grupo vencedor defendeu o projeto “Blah”, que tinha o objetivo de entender os sentimentos dos clientes após um atendimento da empresa. O sistema capta emoções através de texto ou voz, a partir das interações entre cliente e nosso time de relacionamento, assim, fica possível medir a satisfação dos clientes.

O projeto foi construído usando a tecnologia Speech do Google para traduzir áudios e convertê-los em textos, que, depois de processados, geram a informação sobre o sentimento do cliente. O “Blah” pode ser incorporado facilmente a qualquer PABX que faça uma requisição com o áudio no final da ligação.

Também é possível reprocessar toda a nossa base de ligações para entender todo o histórico e ajudar no próximo atendimento. O objetivo é traduzir o áudio em sentimentos e interpretar emoções de raiva, calma ou felicidade, por exemplo. Assim, é possível mapear como estão sendo conduzidos os atendimentos em ambos cliente e empresa.

O projeto TagPay levou o prêmio de segundo lugar com uma solução que possibilita o pagamento dentro do Facebook de forma simples e intuitiva. Para funcionar, vendedores ou compradores devem estar previamente conectados à aplicação por meio de sua conta do Facebook.

Para que uma compra seja efetivada, é preciso utilizar a linguagem do TagPay na rede social. Por meio de uma linguagem simples, o vendedor consegue anunciar um produto com um post. Ilustrativamente, ele pode apenas digitar “#tagpay #vendo <descrição do produto que deseja vender>”. O comprador, por sua vez, pode fazer um oferta comentando esse mesmo post: “#pago <valor> <qualquer mensagem que o comprador desejar passar>”. O vendedor, uma vez que concorde com a oferta, deve então aceitá-la, inserindo o comentário do comprador, ex: “#vendido <qualquer mensagem que o vendedor desejar passar>”. Nesse momento o TagPay detecta a venda e realiza a transação.

Para se cadastrar, o usuário informa seu cartão e/ou conta (de acordo com o perfil) e os dados são armazenados e usados para a transação. Com a permissão do usuário, por meio da Graph API do Facebook, pode-se “escutar” os posts do vendedor em busca de uma venda. Ao finalizar a compra, o serviço identifica o comentário e fecha o pedido. Os próximos passos são aprimorar a segurança do TagPay e permitir que ele também atue através de mensagens privadas e em outras redes sociais.

O grupo que levou o terceiro lugar foi o Virtualoja. O projeto é um app para uma experiência de pagamento usando Realidade Aumentada. Nele, o usuário pode fazer compras em estabelecimentos adaptados para o Sistema VirtuaLoja. A interação com os recursos (botões, QR codes, etc) é feita com Gaze Interaction. Os produtos são identificados com QR codes, com os quais o usuário consegue selecionar e fazer suas compras usando óculos de realidade aumentada. A ideia futura é conseguir mapear as intenções e escolhas do usuário para otimizar a experiência de pagamento, podendo inclusive direcionar conteúdos específicos para cada usuário através dos óculos ou do próprio smartphone.

Deixe um comentário! 1

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

leia mais
Este projeto é mantido e patrocinado pelas empresas: