DevSecOps

18 out, 2019

Qual é o primeiro passo para migrar para nuvem?

100 visualizações
Publicidade

A migração de aplicativos para a nuvem é uma realidade que não pode mais ser adiada pelas empresas. De acordo com uma pesquisa do Gartner, até 2020 serão raras as corporações que não utilizarão a computação em nuvem em suas operações.

Por isso mesmo, muitas empresas têm procurado por consultorias em DevOps para dar este primeiro passo em direção à transformação digital de seus sistemas e times inteiros. Esta assessoria é fundamental porque ajuda as companhias a migrar para a nuvem de forma planejada e segura.

O termo DevOps ainda é relativamente novo, e surgiu da aplicação de abordagens ágeis e enxutas para o trabalho de operações. Dessa forma, a cooperação se dá em todos os estágios do ciclo de vida de desenvolvimento. Ou seja, o processo envolve desde a etapa da criação de um projeto até sua implementação e análise de sucesso.

Mas, afinal de contas, o que é a metodologia de DevOps? Basicamente, trata-se da integração dos times de desenvolvimento e operações. Como uma boa prática baseada em agilidade, o DevOps pode ser considerado uma evolução de metodologias que visam maior eficiência a partir de integração de equipes distintas.

Devops

Dessa maneira, esses times deixam de atuar em “caixas separadas” sem uma integração ou sinergia real para enfim estar alinhados com um propósito único e responsabilidades compartilhadas. Para que obtenham êxito, as práticas de DevOps exigem a criação de novas diretrizes, a aplicação de testes, implementação, operação e monitoramento contínuo.

Antes mesmo da migração total para nuvem, as equipes de DevOps precisam identificar e analisar dados, aplicativos e infraestrutura local.Ou seja, é essencial mapear o nível de dependência entre aplicativos para só depois definir em que momento e como serão migrados.

Numa próxima etapa, cabe avaliar os recursos a serem reduzidos ou escalados para cada aplicativo. No geral, existem quatro abordagens que facilitam a jornada para a nuvem, como veremos a seguir.

Lift-and-Shift

como o nome sugere, a estratégia Lift-and-Shit (elevação e mudança), também chamada de rehost, envolve o levantamento de uma parte do aplicativo ou de todo ele de um ambiente de nuvem existente para um novo ambiente de nuvem. O “Lift and Shift” é uma abordagem para iniciar a migração ou otimização de aplicativos com o mínimo de interrupção do aplicativo.

Refatorar

a metodologia de refatorar implica fazer mudanças pouco significativas na configuração do aplicativo, bem como no código dele para migração. Portanto, esta é uma abordagem mais complexa do que o “Rehost”, Isso porque, ao fazer mudanças no código do aplicativo, deve-se garantir que as alterações não afetem o comportamento externo do aplicativo.

Rearquitetar

Esta abordagem é mais complexa do que as duas anteriores. Da mesma forma que o método de refatorar, rearquitetar exige mudanças mais profundas no aplicativo, modernizando-o ou mudando sua base de código. A prática é muito usada para inserir novas funcionalidades no aplicativo ou aplicar DevOps, melhorando a agilidade.

Rebuild

O método de “Rebuild” promove a recompilação de um aplicativo com base no uso de tecnologias cloud nativas. Para esse processo, existem diferentes plataformas disponíveis com a Microsoft Azure e a AWS. Esse método é vantajoso por acelerar a inovação nos negócios e permitir o rápido desenvolvimento do aplicativo, gerando menos custos e maior segurança.

Com todas estas abordagens possíveis, é importante encontrar um parceiro com expertise suficiente para migrar para a nuvem. Isso ajuda a garantir segurança, rapidez e eficiência na transformação digital das empresas.Afinal de contas, quando uma empresa desenvolve soluções com agilidade, ela se torna mais eficiente no atendimento a clientes e gera um aumento direto na rentabilidade.