DevSecOps

10 set, 2014

Proteja sua senha do Ghost com criptografia

100 visualizações
Publicidade

No artigo anterior, ensinei a instalar o Ghost na Nuvem. Hoje abordarei uma configuração importante após finalizar o processo de instalação. Cada vez que você digita sua senha para ter acesso ao painel administrativo de seu site, o navegador envia essa senha para o seu servidor, para que ele autentique seu acesso ao sistema. Se você não utiliza nenhuma criptografia nesse processo, seu navegador irá enviar a senha em formato texto puro (“plain text”), o que significa que qualquer um poderá ver sua senha, caso esteja utilizando uma técnica chamada de “sniffing”. Isso é particularmente problemático caso essa pessoa esteja na mesma rede que você, principalmente em locais com acesso wifi público, como cafeterias, lan-houses etc.

Por isso mesmo, é essencial ativar a criptografia SSL/TLS na tela de login de seu site Ghost, fazendo com que o envio da senha ocorra de forma criptografada. Para isso, você precisará de um certificado SSL. Há diversos fornecedores no mercado e os preços variam bastante. Na prática, todos eles fornecem o mesmo nível de segurança, independentemente de quem tenha vendido o certificado para você. O maior diferencial se encontra nas classes (1, 2, 3) dos certificados que podem ser adquiridos.

Há também a possibilidade de criar um certificado autoassinado ou mesmo de adquiri-lo sem nenhum custo em instituições como a CaCert. O único problema é que alguns navegadores não possuem o certificado raiz da CaCert instalado por padrão, o que faz com que o navegador exiba aquela tela de “site inseguro”, ao acessar uma página com “https” com esses certificados. O mesmo acontece com os certificados autoassinados.

Exemplo de certificado inseguro no Chrome.
Exemplo de certificado inseguro no Chrome.
Exemplo de alerta de certificado no Firefox.
Exemplo de alerta de certificado no Firefox.

No meu caso, optei por utilizar SSL apenas na tela de login, de forma a proteger o envio da senha sem comprometer a carga no servidor. Como não temos o objetivo de utilizar o certificado para checar a autenticidade do site, não haveria problema em utilizar um certificado autoassinado ou emitido pela CaCert. No nosso caso, um certificado classe 1 é mais do que suficiente, e normalmente permite sua utilização nas versões nossodominio.com.br e www.nossodominio.com.br.

Também não abordarei aqui a criação do certificado, mas sua instalação e configuração no Ghost. Mãos à obra!

Instalação do certificado

A esta altura, você já deve ter 2 arquivos (um do certificado e outro da chave) com diferentes extensões: meusite.crt e meusite.pem. Nomeie os arquivos de forma a identificar para qual site eles pertencem, isso será útil caso você tenha mais de um site instalado no mesmo servidor.

Crie a pasta /etc/nginx/ssl e salve os arquivos nela. Eu costumo utilizar sftp por considerar mais simples e seguro do que um ftp convencional. Depois que os arquivos estiverem salvos nessa pasta, é hora de habilitar o tráfego https no Nginx.

  • Abra o arquivo de configuração com o editor da sua preferência (eu costumo usar o vim, mas você pode usar o nano):
    vim /etc/nginx/sites-available/default
  • Encontre a seção intitulada “HTTPS server” que encontra-se toda comentada.
  • Retire os # do início da linha e edite as configurações de forma que elas fiquem semelhantes ao exemplo abaixo:
server {
    listen 443 ssl;
    server_name SEUDOMINIO.com.br www.SEUDOMINIO.com.br;
    root html;
    index index.html index.htm;

    ssl_certificate /etc/nginx/ssl/SEU_CERTIFICADO.crt;
    ssl_certificate_key /etc/nginx/ssl/SUA_CHAVE.pem;

    ssl_session_timeout 15m;

    ssl_protocols SSLv3 TLSv1.2;
    ssl_ciphers "HIGH:!aNULL:!MD5 or HIGH:!aNULL:!MD5:!3DES";
    ssl_prefer_server_ciphers on;

    location / {
        proxy_set_header X-Forwarded-For $proxy_add_x_forwarded_for;
        proxy_set_header Host $http_host;
        proxy_set_header X-Forwarded-Proto $scheme;
        proxy_pass       http://127.0.0.1:2368;
    }
}

Atente para a substituição do endereço do seu domínio no campo server_name e no nome dos arquivos .pem e .crt que você salvou no diretório /etc/nginx/ssl. Eu também me limitei a utilizar apenas as versões mais recentes dos protocolos SSL e TLS. Agora basta reiniciar o Nginx:

# sevice nginx restart

Configuração do Ghost

Depois de configurado nosso servidor web, é a vez de dizermos ao Ghost que ele deve utilizar o protocolo https para a tela de login. Fazemos isso editando o arquivo config.js que, no nosso caso, encontra-se na pasta /var/www. Par isso, basta acrescentar a opção forceAdminSSL: true dentro da seção production.

Depois de salvar o arquivo, reinicie o Ghost. Ao acessar a URL seudomínio.com.br/ghost, você verá que a requisição será redirecionada para o tráfego HTTPS e o navegador normalmente exibirá um cadeado ao lado do endereço. Pronto! Sua tela de login já está bem mais segura do que anteriormente.