Arquitetura de Informação

1 dez, 2021

Como organizar um projeto em Django

100 visualizações
Publicidade

Em 2016 começamos a Operação Serenata de Amor e uma das necessidades da nossa equipe de cientistas de dados era ter uma ferramenta fácil para ver os detalhes de qualquer reembolso específico feito pela Câmara dos Deputados a parlamentares. Assim nasceu o Jarbas, uma aplicação web para te dar de bandeja tudo o que a Serenata sabia sobre um reembolso.

Na época eu era um novato em Django e praticamente tudo que eu sabia havia aprendido no Welcome to the Django do Henrique Bastos. Então uma pessoa interessada em contribuir para o projeto comentou que a forma como organizamos o código do Jarbas era atípica, não seguia o padrão que ela estava acostumada, que era esse a seguir:

jarbas/
    manage.py
    core/
        __init__.py
        admin.py
        models.py
        tests.py
        views.py
    jarbas/
        __init__.py
        settings.py
        urls.py
        wsgi.py

Sendo uma pessoa novata na área, respondi que não sabia exatamente o porquê da decisão de organizar como estava organizado, algo como:

jarbas/
    core/
        __init__.py
        admin.py
        models.py
        tests.py
        views.py
    __init__.py
    settings.py
    urls.py
    wsgi.py
manage.py

Além disso, comentei que apesar de eu saber que essa arquitetura que a pessoa sugeria era super comum (inclusive utilizada na documentação e em livros renomados como o Two Scoops of Django), eu achava que ela era confusa: no primeiro exemplo, jarbas e core estão no mesmo nível na hierarquia de arquivos (e módulos do Python) mas eles não são a mesma coisa; um é um aplicativo construído para o Django que nós escrevemos (com modelos, testes etc.), enquanto outro é o projeto Django em si (com as ferramentas básicas, configurações, arquivos gerados automaticamente etc.).

E marquei o próprio Henrique para convidá-lo a entrar no papo. E ele o fez trazendo boas razões por trás da arquitetura que utilizávamos. Segundo ele, o principal é o seguinte:

  • O diretório do repositório deve ser a raiz de tudo: código, documentação, utilitários etc.
  • O projeto em Django deve ser um único pacote em Python, contendo todos seus submódulos e recursos, e deve estar na raiz do repositório.
  • O projeto deve seguir a maioria dos princípios de organização de diretórios em projetos UNIX (doc, man, contrib etc.), mas ao invés de utilizar o diretório src, utilizar o nome do projeto como é convencional no Python.
  • O projeto deve conter o mínimo possível de subdiretórios, evitando, assim, ferramentas para criar padrões conhecidas como boilerplate e cookie cutters.
  • Começar com um aplicativo em Django chamado core para ser o núcleo do projeto, evitando, assim, criar uma quantidade demasiada de aplicativos em Django dentro do projeto.
  • Evitar muitos arquivos requirements.txt, tentando manter apenas dois caso o ambiente de desenvolvimento seja muito complexo; o ambiente de desenvolvimento deve ser o mais semelhante possível ao de produção para evitar fricção.

Ele ainda ressaltou alguns outros pontos relevantes, que envolvem esses princípios:

  • Sempre utilizar desenvolvimento guiado por testes, conhecido pela sigla em inglês TDD; dessa forma reorganizar a arquitetura e adaptar o código é considerado apenas um processo natural de evolução da aplicação (e assim os submódulos dentro da aplicação evoluem junto também)
  • Utilizar diretórios static e templates na raiz do projeto, bem como utilizar AppDirectoryLoaders; muitas aplicações em Django que são submódulos acabam virando bibliotecas separadas do projeto principal, então essa prática influencia e facilita o processo de desenvolvimento
  • O Django mistura no settings.py configurações do projeto e configurações de instância do projeto, mas com ferramentas que leem variáveis de ambiente ou arquivos de configuração (como .env por exemplo) podemos evitar múltiplos arquivos settings.py

Em resumo, o objetivo é ter uma base de código concisa, testada e que pode ser utilizada tranquilamente em diversas instâncias: em desenvolvimento, em produção, em testes, em demonstrações etc.