Carreira Dev

30 nov, 2016

Brasil possui um dos menores índices de investimento em inovação do mundo

visualizações
Publicidade

Em encontro realizado pelo IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia), Alexandre Motta, coordenador do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), revelou que o fomento à inovação no Brasil está abaixo da média mundial e precisa ser ampliado.

O coordenador destacou que o volume de investimentos no Brasil varia de 0,3% a 0,55% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto que em outros países emergentes fica entre 1% e 2,5%. Em contrapartida, nos países desenvolvidos, esse índice chega a 2% do PIB.

[awprm urls=https://imasters.com.br/desenvolvimento/encontrando-o-ritmo-da-inovacao-como-musico-e-desenvolvedor/,https://imasters.com.br/noticia/cpqd-inaugura-espaco-voltado-para-inovacao-aberta/]

Alexandre apresentou os resultados dos programas CI-Brasil e Startup Brasil, que dão apoio a empresas na área de inovação tecnológica. Segundo ele, o Startup Brasil, criado em 2013 e que atua em parceria com empresas privadas, as aceleradoras, ajudou no sucesso das startups selecionadas. Até hoje, o programa já apoiou 183 empresas emergentes, sendo que 135 ainda estão funcionando.

Motta defendeu que o Brasil precisa de pesquisadores com perfil de empresários: “Hoje, 50% do fomento público para pesquisa e desenvolvimento são para a área de humanas. O Brasil precisa desenvolver engenharia”.

Para o presidente da Associação de Startups e Empreendedores Digitais (Asteps), Hugo Giallanza, as incubadoras e as aceleradoras são fundamentais para a sobrevivência das empresas emergentes, para as quais o índice de mortalidade é muito alto – de cada 100, apenas 1 sobrevive, conforme relatado pelo site Inovação Tecnológica.