/Desenvolvimento

voltar
/Desenvolvimento

Senhoras e senhores, com vocês, a CaquiCoders!

PorRodrigo "pokemaobr" Cardoso em

Você conhece a CaquiCoders? A comunidade, que é relativamente nova, já vem conquistando o coração dos apaixonados por tecnologia na região do Alto Tietê. Ao contrário das grandes comunidades já firmadas no meio, a Caqui, como é carinhosamente chamada por seus membros, não trata de uma linguagem ou tecnologia específica. Ela abrange o desenvolvimento como um todo para conseguir agregar mais conhecimento – e transmiti-lo.
Quer conhecer mais da caçulinha das comunidades paulistas? Então confira esta entrevista com Morganna Giovanelli, uma das fundadoras da CaquiCoders.

Revista iMasters: Como surgiu a CaquiCoders?

Morganna Giovanelli: Em 2017, nós começamos a participar cada vez mais de eventos de tecnologia. A partir disso, conhecemos o meetup e as comunidades. Fomos tão bem recebidos por todos e achamos isso incrível, porque pessoas que sempre tivemos como exemplo e inspiração acabaram se tornando amigos de comunidade. Podemos dizer que foi paixão à primeira vista, porque realmente foi.

É sempre incrível a energia que as comunidades têm e como elas acabam nos conquistando. Porém, devido à região onde moramos (região do Alto Tietê de São Paulo), às vezes ficava bem complicado participarmos de alguns meetups, e a distância e os horários começaram a ser um problema, porque sempre dependemos de transporte público para o retorno para casa. Não era exatamente um impedimento para irmos, mas acabávamos perdendo alguns meetups por causa disso.

Foi então que, após a participação em um dos eventos, decidimos criar uma comunidade que estivesse mais pertinho da gente. Nasceu a mesma vontade de aprender e compartilhar, fazer networking e plantar a sementinha dos meetups e das comunidades no coração dos estudantes, profissionais e quaisquer outras pessoas que tivessem interesse na mágica área da tecnologia. Foi aí que o CaquiCoders surgiu, a partir das mentes de Claudiney Junior, Letícia Pedroso, Lucas Santos e a minha. Mais precisamente, em 15 de agosto de 2017.

Revista iMasters: E conta para a gente o porquê desse nome.

Morganna Giovanelli: Somos estudantes do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da FATEC, de Mogi das Cruzes, e essa cidade é muito conhecida devido ao cultivo do caqui. Então, como uma homenagem e também para brincar com as palavras, deixamos CaquiCoders. Carinhosamente chamada apenas de “Caqui” pelo pessoal que participa conosco.

Revista iMasters: Quais as principais atividades?

Morganna Giovanelli: Nós temos como foco principal a realização de meetups, que são, em sua maioria, palestras sobre algum tipo de tecnologia ou algo relacionado ao ambiente de um desenvolvedor. Essas palestras podem ser sobre uma linguagem de programação, um framework que esteja em alta, novas tecnologias, ou mesmo algo relacionado ao gerenciamento de projetos. Entretanto, para este ano, estamos planejando realizar algumas atividades que sempre tivemos vontade: hackathons. Também queremos ainda mais coding dojos e até mesmo minicursos.

Temos a intenção não apenas de levar conteúdo para aqueles que já estão inseridos na área, mas também aprendizado e compartilhamento para quem quer começar a se aventurar e se envolver com a TI.

Revista iMasters: Vocês organizam algum evento local?

Morganna Giovanelli: Nós realizamos dois eventos locais e ajudamos em mais um, até o momento. Um deles foi a Semana de Tecnologia na FATEC, de Mogi das Cruzes, onde levamos alunos e profissionais da área para compartilhar conhecimento com o pessoal da faculdade e também outras pessoas da região, pois foi aberto à comunidade. Também realizamos um dia de IoT na UnG, de Itaquaquecetuba, quando contamos com a participação do pessoal do THT. E ajudamos em outro evento da FATEC, denominado Jornada de Tecnologia, com algumas palestras.

Revista iMasters: Existe alguma ação que torne essa comunidade peculiar?

Morganna Giovanelli: Não temos um público específico ou um assunto único. Queremos ajudar a abranger o conteúdo que as pessoas da comunidade e a região precisarem. Queremos que todos se sintam incluídos nas ações e se sintam parte da comunidade para participarem quando e como quiserem, sempre respeitando quaisquer diferenças que possam existir, independentemente de quais forem. Queremos conquistar as pessoas para a tecnologia, mesmo que ainda não tenham nenhum conhecimento na área. Talvez não seja algo tão peculiar, mas são nossos principais objetivos.

Revista iMasters: Existe uma troca de experiências com outra comunidade?

Morganna Giovanelli: Como desde o início de 2017 temos participado constantemente de meetups das comunidades, acabamos criando networking e amizade com várias pessoas – desde os membros dessas comunidades até organizadores e palestrantes. E, como sempre enfatizamos, é algo mágico ter pessoas que você admira tão perto, te ajudando a evoluir pessoal e profissionalmente.

A partir da aproximação com a amizade e o networking, acabamos nos unindo a muitas comunidades, o que rendeu até mesmo eventos em conjunto. O primeiro evento que realizamos, contamos com a participação do Alto Tietê Coders, uma comunidade da região, e da comunidade MTAC Brasil. Em outro evento que realizamos, contamos com a ajuda do pessoal do THT, o que foi incrível, pois era sobre IoT e Node-Red, assuntos que também tinham um pouco de novidade para nós, e não apenas para o público que compareceu.

Além disso, sempre contamos com a ajuda de várias comunidades parceiras, de forma direta ou indireta. É sensacional poder sempre contar com pessoas que estão engajadas e têm a mesma paixão que nós temos.

Revista iMasters: Qual a importância da sua comunidade para a região em que está localizada?

Morganna Giovanelli: Ainda não há uma ação completa de comunidade técnica em nossa região. A importância das nossas ações envolve conquistar as pessoas para que entendam o que significa ser parte de uma comunidade. E, a partir disso, “espalhar a palavra” da tecnologia por aí, mostrando a real importância de aprender e compartilhar, de fazer networking e parcerias, de evoluirmos como pessoas e como profissionais, fazendo, assim, com que a região evolua.

Com isso, quem sabe, podemos elevar o nível técnico dos profissionais, permitindo que até mesmo tenhamos acesso a mais empregos que sejam em nossa região, mais perto de casa, trazendo tantos outros benefícios que acabam sendo consequência do que citamos. Tudo isso levando em consideração o Alto Tietê, que é uma região onde as comunidades não são tão ativas, até o momento. Nosso objetivo é mudar isso.

Revista iMasters: Como a CaquiCoders enxerga o meio das comunidades no Brasil? O pessoal se ajuda, troca experiências, vão uns nos eventos dos outros?

Morganna Giovanelli: Em geral, nós sentimos que as comunidades têm um bom relacionamento entre elas. Muitos organizadores de uma comunidade participam também de outras. Nós mesmos, aqui do Caqui, temos o costume de ir a eventos do Nerdzão, NerdGirlz, .NET São Paulo, WoMakersCode, GDG-SP, Angular SP, Developers SP, entre muitas outras comunidades de São Paulo.

É fato que a maioria das comunidades de tecnologia do Brasil está localizada no estado de São Paulo, mas arriscamos a dizer que o mesmo feeling se aplica às comunidades de outros de estados. Tivemos a oportunidade de sentir isso principalmente quando o projeto Natal Nerd foi colocado em prática, que tinha como objetivo reunir comunidades técnicas de vários locais de todo o Brasil para arrecadar brinquedos nos eventos realizados para que fossem feitas doações para crianças carentes. Acho que essa união e colaboração foram algumas das coisas que mais nos inspiraram para mantermos o CaquiCoders. E esperamos poder repassar isso para todos aqueles que se juntarem a nós.

***

Artigo publicado na revista iMasters, edição #25: https://issuu.com/imasters/docs/25

De 0 a 10, o quanto você recomendaria este artigo para um amigo?

 

Deixe um comentário! 0

0 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

leia mais
Este projeto é mantido pelas empresas:
Este projeto é apoiado pelas empresas: