/Desenvolvimento

voltar
/Desenvolvimento

Conservando no recurso errado

PorPaul M. Jones em

(Este é um artigo que estava guardado em uma pasta “write-me!” por muitos anos; agora estou publicando-o em sua forma inacabada para tirá-lo da minha cabeça.)

Os programadores estão conscientes de seus recursos limitados: CPU, memória, armazenamento, pedidos por segundo, espaço na tela, comprimento da linha, e assim por diante. Se programadores estão cientes de uma restrição de recursos, eles conservam ele; às vezes, eles chamam isso de “otimização”.

Você está ciente de um loop? Em seguida, você tenta “otimizar” ou conservar nele, por exemplo não usando um count() na declaração loop.

Você está ciente do número de linhas? Você pode tentar economizar o número de linhas, talvez removendo linhas em branco (especialmente em docblocks).

Você está ciente de estar ciente do tamanho de um array, ou do número de objetos no sistema, e assim por diante? Você tenta conservar neles, para reduzir seu número.

Mas isso às vezes é uma armadilha, porque você conserva ou otimiza em um recurso de valor baixo do qual você está ciente, ao custo de não conservar em um recurso de alto valor de que você não está ciente. Por exemplo, otimizar um loop for não usando count() em sua declaração terá pouco impacto se o loop estiver executando consultas em um banco de dados SQL.

Lição: conservar em recursos de alto valor doa quais você pode não estar ciente, não os de baixo valor que são óbvias, mas de pouca consequência.

***

Paul M. Jones faz parte do time de colunistas internacionais do iMasters. A tradução do artigo é feita pela Redação iMasters, com autorização do autor, e você pode acompanhar o artigo em inglês no link: http://paul-m-jones.com/archives/6429.

Deixe um comentário! 1

1 comentário

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

  1. Boa tarde,

    A intenção foi boa, mas não passou daí!
    Este artigo é dos mais vazios que li no imasters, e já lá vão uns anos valentes!

    Sem qualquer exemplo, isto é palha para burro e não estou com fome. :)

leia mais
Este projeto é mantido e patrocinado pelas empresas: