E-commerce pode ser nicho?

PorFelipe Morais em

Quero iniciar agradecendo novamente à Dafiti pelo apoio nesta série de artigos sobre e-commerce.

Quando começamos qualquer assunto em relação ao e-commerce, logo pensamos nas lojas mais conhecidas, como Americanas.com e Submarino.com, que fazem parte da B2W, maior conglomerado de e-commerce do Brasil, que ainda dominam as vendas no setor.

Diversas empresas têm como estratégia colocar seus produtos nessas – e em outras – grandes lojas para vender seus produtos. O lucro é menor, mas o volume de vendas é muito grande, o que acaba sendo vantajoso para as marcas que vendem através de revendas, além de ampliar o conhecimento de marca.

Nos últimos anos, o mercado digital cresceu. Cresceu em números de internautas e de empresas, e tem se tornado um grande comércio no Brasil, com enorme potencial. É certo que apenas 30% dos internautas compram pela web, mas as chances de esse percentual aumentar nos próximos anos é grande e animadora.

Lojas como o Submarino.com vêm crescendo. São sites que abrem espaço para a venda de todos os produtos, são multimarcas. Vendem todos os tipos de produtos, marcas e serviços. Trabalham forte sua divulgação em portais e em links patrocinados para atrair audiência e, assim, atrair mais varejistas. Esse foi o primeiro movimento do e-commerce no Brasil.

Na sequência, vimos o crescimento de lojas virtuais de marcas próprias, que viram no canal uma fonte de novas vendas; depois, varejistas consagrados entraram no mercado eletrônico, como o caso das Casas Bahia. Entretanto, todos esses movimentos são de sites que vendem todos os tipos de produto, pois dessa forma podem atrair um enorme público de pessoas interessadas em máquinas fotográficas, computadores, livros, DVDs, geladeiras, televisões entre outros produtos em um só lugar.

Mas e o nicho? E a teoria que Cris Anderson nos ensinou no Best Seller “Cauda Longa”? Há espaço para o nicho no e-commerce? Com certeza, e não apenas nicho de músicas, como Anderson descreve tanto em seu livro, mas para todos os tipos de nicho.

Segundo matéria recente da Revista Exame (Edição 984), esse é o caso da Netshoes, empresa que surgiu em 2000 em São Paulo e hoje já figura na 3ª posição do e-commerce no Brasil, com faturamento acima dos 400 milhões de reais, e só vendendo artigos esportivos como chuteiras, camisas de futebol, calções e meias.

A aposta aqui é no nicho dos esportistas amadores, nicho esse que incentivou a Nike se juntar com a Apple e lançar um dos maiores cases de Co-branding do mundo, o Nike Plus ou Nike+iPod.

A Netshoes usou de estratégias parecidas com as marcas. Entrou ativamente em um dos maiores varejistas online do mundo, o Mercado Livre, oferecendo seus produtos no canal. Lucrou menos, mas conseguiu enorme visibilidade e conhecimento de marca. Conquistou clientes fiéis através do Mercado Livre que indicaram a marca a amigos. Aos poucos, a marca ficou menos “refém” do Mercado Livre e caminhou com as próprias pernas.

Com o faturamento crescendo, a Netshoes apostou em patrocinar times e comprar mídia na TV para atrair audiência ao site. Uma sacada inteligente, pois uma marca digital não pode pensar apenas no digital. Campanhas 360º são as mais efetivas, e a Netshoes apostou não apenas em banner em portais, mas também em patrocínios e em mídia na TV.

Em resumo, há sim muito espaço para a segmentação no e-commerce, assim como há espaço na web. Vemos aqui mais um input para a eterna discussão: internet é uma mídia de massa ou segmentada? O que você acha?

Mensagem do anunciante:

API para boleto e carnê registrado. Tarifa e prazo personalizados. Saiba mais.

Deixe um comentário! 3

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

  1. Eu acredito que a internet atende e tem demanda para as 2 frentes. Pode ser de massa, onde o lojista faz uma campanha de volume através de portais (midia display), mas isso ainda é para poucos devido ao custo. E segmentada, onde tem um mundo de canais e informações.
    O Google acaba sendo a porta de entrada deles, e acabam lidando como uma estratégia de massa e não pensam em chegar em usuários específicos, coisa que o Google e a internet possibilitam.
    Cada vez mais as mídias tendem a se segmentar, mas os usuários (lojistas) tratam de forma errada por falta de conhecimento ou experiência. E na batalha por um espaço entre os Grandes Varejistas, só ganham se “estrangulam” suas margens e o caminha acaba sendo mais longo.
    Mas minha aposta é que a internet se torne uma grande mídia de vários segmentos e ao invés das marcas irem atrás dos usuários, são eles que irão atrás das marcas, seguindo, curtindo e indicando.

  2. “E-commerce pode ser nicho?”

    Não só pode como DEVE ser nicho.

    A internet deixou em igualdade de condições pequenas e grandes empresas em relação ao alcance de seus serviços e produtos. E a grande força de uma pequena empresa está na capacidade de especialização e atendimento de nichos, que torna-se a grande oportunidade para estas empresas no e-commerce.

    Abs

leia mais