/Marketing Digital

voltar
/Marketing Digital

Como o Planejamento pode ser criativo?

PorFelipe Morais em

Depende do tamanho de uma agência de publicidade, ou da sua filosofia, ela pode ter um número maior de áreas, com nomes e objetivos diferentes. Mas todas terão, sempre, Atendimento, Planejamento, Mídia e Criação. Nenhuma é mais importante do que a outra, pois se uma não fizer bem o seu trabalho, as outras são prejudicadas.

E, por mais que exista um departamento de criação dentro da agência, ela não é a única responsável pela criatividade no desenho do projeto ou no caminho da marca. Todas as áreas devem ser criativas, como forma de auxiliar no processo de criação. Aliás, a criação é um processo e, como todo processo, passa por fases até chegar a um resultado final.

O Atendimento precisa ser criativo na forma de explorar as reuniões com o cliente e entregar o maior número de informações à equipe da agência. Também é necessário que o atendimento conheça o cliente a fundo, de forma que consiga passar insumos que o marketing não enxergou, mas que ele entenda como relevante. A área de Mídia também precisa ser criativa, ainda mais em um mundo onde cada vez mais a mídia está fragmentada. Se há 20 anos existiam 5 canais de TV, 10 revistas e 15 jornais, hoje qualquer pacote de TV a Cabo tem 80 canais, existem revistas de todos os assuntos e para todos os públicos e jornais aos monte, até gratuitos.

Mas, e o Planejamento? Por que esse departamento precisa ser criativo? Planejamento não é aquela área que cuida apenas dos números?

Não!

Claro que nós, profissionais de planejamento estratégico digital, precisamos, sim, entender de números, dados, pesquisas, análises, concorrência, mercado, marca, estratégia e, finalmente, de pessoas. Não entendemos que o target são números, entendemos que tratamos de pessoas, que são imprevisíveis e que podem decidir comprar ou não um produto porque a embalagem é azul e ele prefere uma vermelha.

Focando no profissional de planejamento estratégico digital, a criatividade tem que estar em nosso DNA. Somos nós que vamos inspirar a criação a fazer um excelente trabalho, seja através de um briefing para a criação ou mesmo no brainstorm.

Não vejo o planner criando um layout, mesmo porque os \”criativos da Criação\” são bem mais capazes do que nós, mas vejo o planejamento dando o primeiro \”start\”, um direcionamento para a criação, algo como pegar o criativo, colocá-lo no carro, mostrar a estrada e dizer: \”Precisamos chegar na cidade X, vai nessa amigo\”.

O planejamento precisa ter referências,  analisar tendências, entender a cabeça do consumidor e, a partir desses pontos, extrair o que há de melhor em cada item avaliado, depois transformar isso em informação relevante para apresentar à agência e mostrar o que é relevante na comunicação da marca e como impactar o consumidor para que esse converta nos objetivos.

O processo parece complexo, mas não é. Para ser criativo é preciso estar atento e antenado a tudo o que acontece. Em cases, campanhas, ações em redes sociais, melhores práticas da concorrência ou mesmo de empresas que não sejam do segmento que você está atuando. Para ser criativo é preciso de informação. Busque isso!

Deixe um comentário! 0

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

leia mais