/Marketing Digital

voltar
/Marketing Digital

Cauda Longa e o Google

PorMarcio Hiroshi Okabe em

Em 1897, Vilfredo Pareto, estudando os padrões de riqueza da
sociedade do século XIX constatou que 20% da população mais rica da
Inglaterra detinha 80% da riqueza. Comparando com outros países ele
percebeu que a proporção se mantinha constante. Este conceito vem sendo
utilizado no mundo dos negócios para definir prioridades de
investimentos, por exemplo: uma livraria não pode ter todos os títulos
do mercado, portanto ela aplica a regra de Pareto e foca em 20% dos
títulos que geram 80% da receita. Com a internet tudo mudou, e Chris
Anderson, em seu excelente livro “A Cauda Longa”, mostrou que o marketing de massa está migrando para o marketing de nichos, e que a regra de Pareto não mais se aplica em muitos mercados.

Estudando a Amazon, Chris Anderson descobriu que grande parte da
receita da Amazon vem de títulos que em livrarias “tradicionais” não
estariam em estoque por terem poucas vendas. Ele constatou que uma
grande livraria nos Estados Unidos possui um estoque médio de 100 mil
títulos, enquanto a Amazon possui mais de 3 milhões de livros em
“estoque”. Porém, a Amazon possui uma parcela significativa de seu
faturamento dos títulos menos populares.

“Agora, a Amazon tem condições de manter estoques que não ocupam espaços e geram custos: Esses livros e filmes permanecem nos arquivos de banco de dados até que sejam comprados”. (A Cauda Longa – p. 93)

Sites de músicas também são excelentes representantes do conceito da
Cauda Longa, pois grande parte da receitas são provenientes de músicas
cujas bandas são desconhecidas. No mundo virtual, o custo de manter uma
música que tem poucos downloads por mês é apenas o espaço no servidor.

A Cauda Longa representa a força dos nichos de mercado,
que são públicos altamente segmentados em busca de produtos ou serviços
muito específicos. Antes da internet, as pessoas já possuíam desejos
específicos, mas se contentavam com o que o mercado oferecia. Como a
célebre frase de Henry Ford quando, em 1915, o Ford T passou a ser
produzido apenas na cor preta devido a corte de custos: “O carro é
disponível em qualquer cor, contanto que seja preto.”.

Este conceito pode ser aplicado em praticamente qualquer segmento de
estudo. O Google, com seu algoritmo quase infalível de trazer
resultados relevantes para uma simples combinação de palavras-chave, é
o representante principal da Cauda Longa de Conteúdo.

Entender como usar este conceito para analisar um determinado
segmento de mercado é essencial para criar boas estratégias de links
patrocinados e SEO (e até mesmo para planejar o conteúdo do site).

Cauda Longa para brinquedos

Digitem BRINQUEDOS na ferramenta de palavras-chave Google Keyword Tool:

Notem que há uma distribuição de volume de buscas com a concentração
na principais palavras-chave, mas percebe-se que existem nichos de
buscas em torno de determinadas palavras-chave:

  • brinquedos educativos – Pais ou professores em busca de opções de brinquedos educativos
  • brinquedos antigos – Pessoas com interesse em ver fotos ou colecionadores.
  • blog de brinquedo – Dicas de brinquedos, novidades e fotos.

O importante neste exemplo é mostrar a importância de fazer uma
análise, e tentar entender quais são os desejos das pessoas que digitam
as palavras acima no Google.

Criando um gráfico dinâmico no Excel com estas palavras, veja o resultado:

(download da planilha – Cauda Longa – Brinquedos)

Como usar a Cauda Longa para os Links Patrocinados?

Para criar campanhas de links patrocinados é importante agrupar as
palavras de acordo com o interesse de busca e o volume de pesquisa. Não
adianta misturar em uma mesma campanha palavras com alto volume de
busca com palavras menos pesquisadas. Por exemplo: “brinquedos
educativos” possui 22,2 mil buscas/mês e “brinquedos pedagógicos”
possui 2,4 mil buscas/mês. Se eles estiverem na mesma campanha, a
palavra “brinquedos educativos” irá ter muito mais cliques, pois tem 10
vezes mais buscas, e você pode erroneamente concluir que “brinquedos
pedagógicos” não é uma boa palavra por gerar poucos cliques. Neste
exemplo, o correto é criar campanhas com palavras-chave de volumes de
buscas similares para evitar que uma palavra “canibalize” o tráfego e
consuma todo orçamento da campanha.

Como a Cauda Longa ajuda no SEO?

O estudo da cauda longa permite entender o interesse das pessoas em
torno do seu segmento de mercado, portanto a estrutura de conteúdo do
site deverá ser planejada e estruturada com as boas práticas de SEO
para atrair este público. Exemplo: “brinquedos antigos” possui um
volume mensal de 6,6 mil buscas em média, portanto criar conteúdo com
fotos e artigos sobre este tema é uma forma de criar a possibilidade de o
seu site aparecer para este nicho de pessoas que realizam esta busca.

Conclusão

Podemos concluir que a etapa de análise de palavras-chave do seu
negócio é fundamental para fornecer informações essenciais para o
planejamento de Links Patrocinados e SEO, bem como para dar insights do
conteúdo que seu site deve ter para atender o seu público.

Um exemplo engraçado é a busca “telefone do habibs”, cujo nicho é
muito específico: Pessoas com fome que não encontraram o telefone do
delivery no site do Habib´s!

Referências:

Deixe um comentário! 5

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentando como Anônimo

  1. olá, achei mt interessante essa materia. ja li mt sobre isso e é verdade q na internet td muda um pouco dos mercados tradicionais. as vezes se focarmos em 100 palavras q geram 1000 visitas cada pode ser mais vantajoso do q focarmos em 5 palavras q geram 5000 visitas cada. e achei interessante sobre o q disse de separar as campanhas de links patrocinados por palavras com volume de buscas parecido. eu nunca tinha pensado nisso.
    abraços

leia mais