Seções iMasters
Teoria do Design

O Disco de Cores

Olá pessoal! Neste artigo iremos entender
um pouco sobre o Disco de Cores de Isaac Newton e sua descoberta,
além de compreender melhor nosso comportamento visual perante
a luz e a exibição das cores.

Isaac Newton

Isaac Newton,
era reverenciado na Inglaterra do século XVIII como
o maior dos cientistas.

Representava o gênio das leis do movimento
da matéria e como se movem os astros ou as pedras.
Uma lenda viva, recoberto de honras e glória, traduzido
e reverenciado em toda a Europa.

Ainda hoje, seus Princípios constituem
um monumento da história do pensamento, só
comparável às obras de Galileu e Einstein.

Isaac Newton nasceu em Woolsthorpe,
no Lincolnshire, Inglaterra, no Natal do ano em que morria
Galileu: 1642.


(1642 – 1727)

Newton sempre teve o apoio do mundo
científico de sua época, usufruindo de todas as
honrarias que podem ser concedidas a um homem de ciência:

- em 1668,
foi nomeado representante da Universidade de Cambridge, no Parlamento;

- em 1696,
assumiu o cargo de inspetor da Casa Real da Moeda, tornando-se
seu diretor em 1699; nesse mesmo ano foi eleito membro da Academia
Francesa de Ciências;

- em 1701,
deixou sua cátedra em Cambridge;

- em 1703,
até sua morte, foi presidente da Royal Society.

No início de 1727,
Newton, cuja saúde declinava há anos, ficou
gravemente enfermo. Morreu no dia 20 de março desse
ano, tendo sido sepultado na Abadia de Westminster com o
seguinte epitáfio:

"É uma honra para o gênero
humano que um tal homem tenha existido."

A descoberta

Em 1666, enquanto a peste assolava
o país, Newton comprou, na feira de Woolsthorpe, um prisma
de vidro. Um mero peso de papel, que iria ter grande importância
na história da Física.

Observando, em seu quarto, como
um raio de sol vindo da janela se decompunha ao atravessar o prisma,
Newton teve sua atenção atraída pelas cores
do espectro.

Colocando um papel no caminho da
luz que emergia do prisma apareciam às sete cores do espectro,
em raias sucessivas: vermelho, alaranjado, amarelo, verde, azul,
anil e violeta.

À partir de um prisma de
vidro, constatou que a luz solar, ao atravessá-lo, abre-se
em um feixe colorido: vermelho, alaranjado, amarelo, verde, anil
e violeta.

A sucessão de faixas coloridas
recebeu do próprio Newton o nome de espectro, em
alusão ao fato de que as cores que se produzem estão
presentes, mas escondidas, na luz branca.

O disco de cores

Newton foi além,
repetindo a experiência com todas as raias correspondentes
às sete cores.

Mas a decomposição não
se repetia: as cores permaneciam simples. Inversamente,
ele concluiu que a luz branca é, na realidade, composta
de todas as cores do espectro.

E provou isso reunindo as raias coloridas
de duas maneiras diferentes: primeiro, mediante uma lente,
obtendo, em seu foco, a luz branca; e, depois, através
de um dispositivo mais simples, que passou a ser conhecido
como disco de Newton.

Trata-se de um disco dividido em sete setores,
cada um dos quais pintado com uma das cores do espectro.

Fazendo-o girar rapidamente, as cores se
superpõem sobre a retina do olho do observador, e
este recebe a sensação do branco.

Nossa visão perante as cores

A soma de todas as cores gera
o branco que por sí é compatível com todas
as outras cores e considerado assim neutro perante todos os aspectos
descritivos de cada uma delas.

É importante saber da existência
da soma de cor, sendo o processo aditivo: a aplicação
da soma de todas as cores para gerar o branco e o processo subtrativo
seguindo o processo inverso até se chegar ao preto.

As cores que enxergamos se alteram
conforme a iluminação sendo que um vermelho, por
exemplo, poderá ter diversas variações tonais
devido a densidade de iluminação ou ausência
da mesma.

A cor de um objeto é dada
sempre pela cor que ele reflete, por exemplo: quando a luz branca
se projeta sobre ele, todas as cores são absorvidas, exceto
a dele. Por exemplo, quando a luz branca incide sobre um objeto
azul, todas as cores são absorvidas, exceto a cor azul
que é refletida. Um objeto é visto branco quando
reflete todas as cores (arco íris).

Nossos olhos possuem receptores
na retina que são sensíveis às cores:

Uma teoria clássica
da visão de cores, devida a Thomas Young e Hermann
Helmoltz, supõe a existência de três
tipos de receptores (os “cones”): um mais sensível
ao vermelho, outro ao verde e outro ao azul.

Estimulando os três ao mesmo tempo,
com a mesma intensidade, produz a sensação
visual que chamamos de branco.

Essa teoria não é totalmente
aceita, pois há pessoas que não conseguem
ver o verde e o vermelho (são daltônicas) mas
conseguem ver o amarelo.

Outra teoria supõe a existência
de quatro tipos de receptores, divididos em pares: amarelo-azul
e verde-vermelho.

Quando entendemos de onde vêm nossas ferramentas
de trabalho, nos sentimos mais confiantes para exercer a função
de criador. Isso permite discutir positivamente com o cliente
sobre qual cor utilizar em seu trabalho gráfico… assim
temos mais argumento para prestar um melhor serviço.

Grande abraço!

Comente também

38 Comentários

João Ricardo de Albuquerque Si

Grande Wellington, excelente artigo. Parabéns mais uma vez.

wellington

parabens
otimo artigo..
e viva os matematicos e fisicos do mundo!!!

Diogo de Menezes Franco

Gostei bastante da matéria, mas este comentário não é em relação à qualidade. Pretendo apenas adicionar um conceito para análise e possível estudo.

Desenvolveu-se um estudo sobre a percepção das cores pelo olho humano, e concluiu-se que as cores são reconhecidas pela retina devido ao fato de serem frequências eletro-magnéticas. Cada ‘espectro’ seria representado por uma faixa de frequência.

Comentários pessoais:

Levando em conta as propriedades das ondas de interferirem umas nas outras, o que não descarta a questão do branco ser a junção de todas as outras cores (seria a interferência de todas as cores mostrando-nos o branco), podemos concluir que essa teoria explicaria o fato dos dautônicos que não reconhecem o verde e o vermelho, e poderem reconhecer o amarelo.

Pensemos assim:
– A cor verde compreende uma faixa de 50-60hz
– A cor vermelha compreende uma faixa de 60-70hz
– A cor amarela compreende uma faixa de 70-80hz

Então, supondo que os dautônicos não reconhecem verde e vermelho, mas o amarelo sim, então a retina deles não reconheceria a faixa compreendida entre 50-70hz. Obs.: Os números foram aleatórios, não tendo base em qualquer informação verídica. São apenas para análize.

Supondo que as cores realmente são frequências: Então como se explica o fato de sobreposição de cores? A resposta está nas propriedades de interferência das cores. A frequência da cor verde interferiria na frequência da cor vermelha, gerando por fim o amarelo.

Para não descartar outras hipóteses: O efeito de sobreposição das cores pode ser apenas gerado pela retina humana, e não pelas cores ou frequências em sí, pois sabemos que a persepção da retina não é 100% eficaz, já que a informação demora alguns nano/milisegundos para chegar ao cérebro, e levando em consideração que o cérebro também não é 100% eficaz, pode haver uma mistura na informação das duas cores expostas pelo cérebro, dando-nos a entender uma cor diferente.

É um caso bem interessante a se estudar. Pode ser a explicação de muitas dúvidas pendentes.

Bom, continuem comentando.

Abraços!

Puxa…Parabéns
Agradeço Me ajudou muito no estudo sobre o disco…
Agredeço também em nome da minha professora Paola.

poxa fko bacana qualquer dias desses venha ak comer minha buceta

bom o q falar desse texto

bom me ajudu muito0o nos estudos e so hehe……

siiim esse homem foi um cara pouco lembrada mais continua sendo um grande artista que descobriu o disco de cores

Nossa muitoh boum Parabens me ajudou de mais tah muitoh obrigada

Iohany

Valeuuu , Newton Mee ajudoo Muiitoo Noo Meuuu Trabalhoo de Artes quee vc Tenhaa Sempree esses Dom !!

paulo

valu Nwton

keilla da silva karru

muito lindo me ajudou muito no trabalho de arte agradesso no nome de minha escola florizel lamego ferrari

assi=keilla 8 A

Newton demais

valew
fiz em casa uma experiência do Newton deu certo

kkkkkkk

isso é uma bosta eu tenho q fazer isso em casa por causa da escola

juninhow

seu idiotas nao tem nada para fazer

Paula Queiroz

nao gostei seu chato

João

massssssa

Kelly Mariah

eu estou estudando sobre as cores na escola eu estou na 5_

asdf

MUITO BOM!

Mariannna

obrigada!!to fazendo um trabalho da escola pra feira de ciencias e issome ajudou muito.muito mesmo.obrigada.

BRICINHA

muito obrigado por mim ajudar
meste trabalho d fisia

BRICINHA

muito obrigado por mim ajudar
meste trabalho d fisica

Samuel Correa

Gostaria de ouvir estas aulas pelo computador.
Não se trata de nenhum trabalho de escola ,mas,ficar inteirado e “conhecer com entendimento”.
Assim posso fazer algumas analogias das coisas que o Universo tem para a gente entender o caminho que ainda temos de percorrer.

Antonio Menezes

Obrigado, estava totalmente confuso sobre o que diz a ciências hoje sobre a junção das cores

Antonio Menezes

sobre as teorias de Newton e Goethe, como a ciência reelaborou uma explicação para a junção de todas as cores?

rosilene

como trabalhar o disco de cores com os anos iniciais?

jghgj

muito bom, era tudo que precisava! obrigada

Cis Oliveira

Excelente artigo, Wellington. Me ajudou bastante! ;) Obrigada!

Mailson

Ótimo esse artigo gostei muito!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

gui-gui

poderia ter mais coisas

Elma Soares

Adorei, sempre quis saber a origem deste disco. Parabéns.

edivania

muito bom gostei muito

Claúdio

Muito bom gostei da matéria parabéns, obrigado por esta oportunidade de conhecimento, até mais

baby

é coco

jucirlene almeida

puxa me ajudou nas AV da faculdade pois não conseguia entender como 2 pessoas poderia ver as mesmas cores de forma diferente.

Michele Alice

Voçê, devia fazer um artigo falando e explicando como o disco de Newton é importante na área da maquiagem.
Só professora de maquiagem e indico sua pagina para as alunas fazerem pesquisa sobre o disco de cores.

Qual a sua opinião?