Seções iMasters
Carreira + Gerência de Projetos + Mercado

Não se faz um gerente de projetos na faculdade

A área de computação é muito vasta e complexa. Por isso, ao longo dos anos surgiram formações acadêmicas mais específicas, diferente dos tradicionais cursos de graduação em Ciência e Engenharia da Computação – além de especializações focadas em otimização e gerenciamento de projetos. E isso traz grandes vantagens, tanto para quem está estudando para entrar no ramo, quanto para o mercado, que necessita de profissionais qualificados nos diferentes setores que a informática abrange.

Sou professora universitária na área de Sistemas de Informação e conversando com um aluno, ele me disse que não queria programar. Seu objetivo ao fazer o curso era trabalhar com gerenciamento. Fiquei intrigada e decidi conversar com outros professores, até mesmo de outras instituições, para saber se essa opinião era pontual. E, pelo menos em uma pequena amostragem – considerando a cidade onde vivo, percebi que grande parte dos estudantes acreditam que irão trabalhar como gerente de projetos no primeiro emprego.

Acredito fortemente que gerenciar projetos é uma tarefa que inclui, sim, estudos e formação acadêmica na área, mas um fator determinante é a experiência real. Gerenciar é planejar,  re-planejar, ajustar, corrigir, trabalhar com prazos e tomar decisões. Indo além, é lidar com pessoas, gerenciá-las, resolver imprevistos, atrasos, trabalhar sob pressão, em equipe, liderar. Um conjunto imenso de fatores que vão infinitamente além de descrever diagramas UML, fazer entrevistas com clientes, ou chamar a atenção de um funcionário. As experiências reais que você viveu são necessárias. Me arrisco a dizer que o seu lado “humano” é, muitas vezes, mais decisivo que o lado “exatas/ computacional” para ser um bom profissional de gerenciamento.

Ainda na mesma linha de pensamento, pessoas formadas há pouco tempo em cursos tecnológicos de computação buscam, logo depois de formados, uma pós graduação/ especialização na área de gerência. Não que isso seja ruim, ou errado, mas ao entrevistar alguém com essa formação, sem nenhuma experiência de mercado, provavelmente o salário dele e a função serão compatíveis com o curso que ele fez anteriormente e não com o mais avançado.

Não posso afirmar se o que foi relatado aqui é uma realidade geral, ou algo específico. Acredito que a área de computação é muito mais aberta e democrática que as demais. Portanto, não é necessariamente com curso superior X ou especialização Y que o profissional garantirá um bom emprego, um bom salário e o crescimento na profissão. É claro que formação é importante, mas não é somente ela que transformará uma pessoa em gerente – até onde sei, faculdade para isso não existe.

Muitas horas de trabalho, esforço e aprendizado no dia-a-dia vão fornecer ensinamentos fundamentais para ser um bom profissional de informática, seja trabalhando com programação, análise, suporte, gerência de projetos ou qualquer outra função existente.

Comente também

43 Comentários

away-ct

formação n interessa mto na area de TI o q vale mesmo é experiencia……. é fato. é complicado achar um emprego depois de formado se vc n tem experiencia.

Douglas Falsarella

Parabéns pela matéria

Marcelo de Souza

Luana Parabéns pelo artigo.

Me deparei com uma Matéria de Gerenciamento de projetos na graduação em administração onde o professor baseou o curso através do PMBOK com rigor de certificação PMI. Sei que nesse caso foi uma exceção mas acredito que o gerenciamento de projetos deve ficar a cargo de alguém com conhecimento em Gestão e Tecnologia.

David

Primeiramente parabéns pelo artigo!

Infelizmente, a área de TI é árdua e muito exigente. Ter uma formação só lhe dá um título de bacharel ou tecnólogo, não lhe garante emprego nem mesmo facilita sua entrada no mercado. Para este, o que realmente conta é sua vivência na área. Acredito que graduar em computação serve para “refinar” o conhecimento que já tem, deixando você mais entendido com aquilo que já conhece.

Filipe Roberto Silva

O meu curso (Sistemas de Informação) é noturno e a maioria do pessoal ja trabalha desde as primeiras fases, geralmente começam como programador mesmo, claro que muitos têm intenção de atingir a gerência, mas ninguém espera terminar a faculdade para começar no primeiro emprego como gerente.

Eu posso estar errado mas creio que pelo fato do curso ser noturno que cria esse perfil de estudante que trabalha de dia e estuda a noite.

    Luana Morellato

    Olá Filipe,

    Exatamente por isso que disse “Não posso afirmar se o que foi relatado aqui é uma realidade geral, ou algo específico …”.

    :)

Zauza

O assunto é vasto e amplo. Postar algo sobre ele requer domínio e acima de tudo sensibilidade. Parabéns pelo domínio do contexto e a sensibilidade em colocar as palavras sabiamente.

Kilderson Pinheiro de Sena

“(..)Me arrisco a dizer que o seu lado ‘humano’ é, muitas vezes, mais decisivo que o lado ‘exatas/ computacional’ para ser um bom profissional de gerenciamento.”

Posso concorda PLENAMENTE com esse trecho, pois o meu melhor gerente de projeto e setor trabalha desta forma. E posso garantir que éo melhor gerente de projetos que já tive em toda minha vida como programador.

Rodrigo fonseca

Acredito que para ser um bom gerente, deve tambem ser um bom programador, UML não é somente descrever classes e objetos, mas tb um forma de por em pratica todo um conhecimento de orientação ao obj para se fazer uma boa diagramacao UML, e para atingir todo esse conhecimento é preciso programar antes, isso é, estagiando e atuando na area como programador. Querer ser gerente sem ter experiência, e pior, nao gostar de programar, é como ser chef de cozinha, sem nunca ter cozinhado , e pior, não gostar de cozinhar, simplesmente não dá!

Vonnaturaustreve Vonnatur

Excelente o texto, sempre bato nesta tecla com os colegas da faculdade, ter cursos e certificações não adiantam nada se não tiver experiência.

[ ]‘s

Cesar Oliveira Jr.

opinião interessante…mais sejamos francos..alunos de graduação q pensam assim infelizmente é comum…conheci um aluno de agronomia q acha q vai sair da faculdade e conseguir, já de primeira, um emprego q ganhe 5000 iniciais!!! Existem coisas que a universidade não pode ensinar…mas o mercado ensina…

Adriano Tadao

Isso é um “mal” de faculdade. Pouquíssimas experiências e grandes expectativas. Ta, isso é legal mas para gerente de projetos apenas expectativas não é relevante. Um bom gerente de projeto precisa ter conhecimentos de prazos, tarefas e estratégias. Saber conversar e vender, negociar. Mas para esse tipo de conhecimento primeiro você precisa ter a noção da produção, vivenciar o mundo aonde as coisas saem dos papéis e organogramas.

Jovens, como sempre colocando a carroça na frente dos bois …

    Josmar Dias

    Concordo plenamente adriano, exceto com a parte “mal da faculdade”.
    Acredito que seja um mal do aluno.

Ovidio marinho

Excelente Artigo, Parabens!, mas nao podemos esquecer de falar que o mercado Brasileiro eh desta forma, pois ainda nao nos unimos para garantir reconhecimento e salarios dignos.

itjp.net.br

Gabriel Temistocles

Luana,

Atualmente estou estagiando numa grande empresa (que não é de TI mas tem a tecnologia como um dos seus braços fortes, portanto investe fortemente nesse setor) e tinha antes de começar a estagiar a mesma vontade que a do seu aluno. Entrar para o mercado e trabalhar com gestão, ao invés de programar.

Hoje, vejo que isso é possível, principalmente em empresas onde a TI é “atividade meio”, e ao invés de criar novas tecnologias, você estuda e define nas soluções já existentes que melhor atendam a necessidade de negócio da sua empresa. E o escritório onde estagio, um PMO, não é formado por desenvolvedores e um gerente de projetos. Mas sim profissionais de nível analista, que (talvez você não veja diferença, mas entenda o que eu quero dizer) fazem, cada um deles, o GERENCIAMENTO de determinado projeto, enquanto o gerente de projetos faz a GERÊNCIA de todos projetos como um todo. E por sua vez o diretor, acima do gerente, faz a GERÊNCIA DE PORTFOLIO da divisão.

Ou seja, o seu aluno pode sim começar atuando com gerenciamento de projetos, mas é claro que não começará como gerente de projetos, mas sim um analista que ao invés de lidar com o técnico, irá trabalhar com planejamento, análise de negócio e gestão em geral. Tenho um pequeno “embate” com um professor da minha faculdade, que diz que meu estágio é inutil e não irá me capacitar pois segundo ele tenho mesmo é que programar (meu curso é de análise de sistemas). Vejo o pensamento desse professor como um pensamento ultrapassado e conservador, pois as necessidades de negócio hoje mudam muito rápido, de maneira que as equipes técnicas não conseguem acompanhar. E diante desse cenario surgem os papeis que citei anteriormente.

Gostaria de sua opinião como professora, que independente de qualquer coisa possui mais tempo na área que eu. Um abraço!

    Andre da Silva Severino

    Ola Gabriel, na verdade se voce quer se tornar um programador (o que nao parece ser o caso), voce tem que vivenciar o estagio no desenvolvimento.

    Agora esse pensamento do seu professor e uma merda falando no portugues bem claro, cara isso vai agregar muito para sua profissao, a unica pergunta que vc tem que se fazer e se e realmente isso que voce precisa de imediato para dps que terminar o curso ja conseguir ingressar no mercado de trabalho.

    Gabriel Temistocles

    Eu acho que ele pensa assim pois no tempo de mercado dele (hoje ele apenas dá aula), existia apenas um desenvolvedor e um gerente. Hoje não é mais assim. Há especialistas em desenvolvimento, outros em banco de dados, outros em redes, infraestrutura etc, outro em negócio, enfim… no meu caso eu não lidou com desenvolvimento; isso fica a cargo de diversas consultorias definidas no inicio de cada projeto. O nosso papel é planejar, e defender os requisitos funcionais/não funcionais e outros interesses da empresa como cliente. Agrega muito mais no âmbito generalista do que no especialista, mas a minha intenção no momento é esta mesmo. Se é melhor ou pior, não sei…

    Luana Morellato

    Olá Gabriel,

    Como eu disse, não busquei generalizar dizendo que todos tem que programar. Respeito a opinião do seu professor mas discordo, acredito que o seu estágio é extremamente importante e vai te ajudar muito na sua carreira profissional.

    Abraço.

    away-ct

    vc faz curso de exatas pra trabalhar como gerente….? isso é um disperdicio de tempo……

    Gabriel Temistocles

    Luana, eu entendi que você não quis dizer isso. Só quis usar esse caso como exemplo!

    away, não entendi seu comentário. Meu foco deveria ser trabalhar operando para sempre? Meu curso é mais focado sim para o técnico, mas isso me abre diversas portas e as escolhas eu vou fazer de acordo com meu perfil/interesse. No fim das contas o que importa é a remuneração e o prazer de trabalhar com determinada atividade. Hoje estou satisfeito.

    away-ct

    quem faz curso de extas ou ti, geralmente gosta da parte tecnica…… ou seja pretende trabalhar por varios anos na parte tecnica……….algumas vezes o pessoal vira gerente de projeto, lider tecnico e tal…… n era melhor vc fazer administração? rsrs mtos gerentes da area de TI não tem formação em TI……….

    Gabriel Temistocles

    Acho que é engano seu. Dos casos que já pude conhecer, todos são da área, com exceção de alguns que são de engenharia, mas ainda sim no grupo de “exatas”. Não tem como uma pessoa atuar como gestora de TI com uma simples graduação de adm… e de qualquer forma o tempo de duração desse curso é praticamente, senão o mesmo, do de um curso de TI…

    away-ct

    “Não tem como uma pessoa atuar como gestora de TI com uma simples graduação de adm.” é o q mais tem………. talvez vc trabalhe em um ambiente privilegiado =)

    Gabriel Temistocles

    eles provavelmente possuem algum tipo de especialização ou pós… o q o final das contas faz não ser tao grave aassim o fato de eu estar fazendo analise de sistemas e focando área de gestão/planejamento.

    Anderson Passos

    um cara de adm pode gerir uma empresa de ti… mas ele terá durante muito tempo o problema de ser enrolado pelas áreas por não conhecer do negócio. isso é fato e acontece. agora, um cara que já sai de ti e vira um GP, tem mais probabilidades de dar certo que qualquer um que vier de outras áreas. e isso vale para qualque área onde precisa-se de um conhecimento específico: petroleo e gas, engenharia, moda e etc….

Thiago Fassina

Mandou muito, Lu! Resumiu o que eu sentia assistindo aulas do Falbo. Hahah.
Acho que curtir programar é o mínimo pra quem trabalha e estuda computação.
Não precisa ser programador, mas se não gosta de programar é melhor mudar de curso.
Ótimo artigo!

Leonardo

Se não se faz um gerente de projetos na faculdade, muito menos se faz um programador/desenvolvedor/engenheiro de software.

    away-ct

    correto!

    Henrique Prates

    Quando eu trabalhei em uma concessionária Fiat o meu Gerente de TI não era formado em TI não tinha certificação e muito menos pós e o cara e um excelente profissional de TI e gerência todos os projetos de implantações que eram necessários, conheço diversos programadores que não fez faculdade e uns gurus de TI tb.. na verdade eu sou do tipo que programação se aprende e com livros, TI trabalhando com o produto em questão e se especializando nele e gerência e o dia a dia mesmo, o jogo de cintura a organização que o cara tem etc… agora numa aréa com tantos profissionais porque deixar o RH contratar um profissional de TI ? haha e por isso que na televisão passa que precisa de 100 mil profissionais diploma não e qualidade de profissional e nunca foi… olha Steve Jobs como exemplo ai.

Diego Gonçalves da Silva

Ótima colocação. Em quase tudo na vida, teoria é uma coisa e prática é outra. E para se realizar um projeto por exemplo, você utiliza em média uns 40% de aprendizado teórico e o restante costuma ser experiência prática, que se conquista ao longo da carreira.

Julio Bortolon

Faz todo sentido o que você está falando. Mas uma pessoa pode ser a gerente do projeto sim, sem ter formação em TI, só não vai ser o líder técnico.

Líder técnico, aliás, parece ser o profissional mais complicado de existir, pois o cara além de ser bom na área técnica (na minha opinião, o líder técnico tem que ser uma espécie de guru) ele também tem que ter excelentes habilidades de comunicação e da tarefa de gerência em si, prazos, metas e etc. E, sabemos que uma pessoa altamente técnica e que lide bem com pessoas é raridade.

Mas também não significa que eu concorde que profissionais que não são da área de TI gerenciem projetos de TI. Isso acaba gerando um dos problemas mais comuns, forma-se equipes que são obrigadas a ser lideradas por pessoas que não sabem direito o que estão fazendo e a organização começa a depender quase que exclusivamente de habilidades individuais para poder entregar soluções de software de qualidade. E o resultado, todos sabemos, softwares cheios de bugs, atrasos, e toda a fama que a nossa área possui. Não vejo como benéfica toda essa separação entre analistas e programadores, o grande programador é também um grande analista, na minha concepção.

Luiz Gustavo

O que você disse procede !

Eu curso Sistemas de Informação, e como o curso não é apenas voltado para
a ciência da computação (desenvolvimento, programação…), contém muitas matérias de Administração, RH, Psicologia e etc… muitas pessoas desejam ser gerentes,
mas sem um conhecimento e experiência básica de informática.

Pedro

Sua matéria é bem interessante você é muito inteligente e sabe colocar bem as palavras mais seus alunos dizem que você tem tudo para ser uma professora muito boa e simpatica mais você é chata na sala de aula dizem os mesmo.
Não posso fazer essa afirmação pois não a conheço mais fica fedback ok.

Abraços e parabéns pelo artigo.

    Marcos Aurelio

    Eu acho que não devemos juntar o lado pessoal com o profissional.
    Eu posso ser uma boa pessoa na sala de aula ajudo,me simpatizo bem,mais no lado profissional temos que ser bem severos (não tanto),estamos mechendo com dinheiro e não podemos causar erros,Principalmente na sala de aula,onde os professores devem ensinar,e não bater papo.Estou certo?

Alexandre Jimenez

Eu acho que falta à molecada que está chegando agora um mínimo de humildade: já chegam achando que sabem tudo, querendo mandar nos outros e são pouco (ou nada) colaborativos.
É claro que não é impossível gerenciar projetos sem ter experiência como desenvolvedor, mas certamente essa experiência fará muita falta no dia-a-dia de trabalho desse profissional.

LUCAS COsta

Ainda arrisco a dizer que muitos formandos nem estão com inglês fluente e acabam investimento em especializações!!!

Tato

Luana, acredito que em muitos casos, também acontece de que as pessoas esperam trabalhar com Gestão pois se frustram com a programação, ou não tem condições de aceitar um estágio com bolsas de valor baixo para começar a programar no mercado pois já está trabalhando não necessariamente com desenvolvimento. E até para estágio há uma exigência enorme quanto a experiência, conhecimento de linguagens, frameworks e outras tecnologias. Até restrição de idade para estagiar! Tive uma experiência pessoal em entrevista ao qual o entrevistador afirmou que a idade máxima para estágio na empresa era de 26 anos.
Portanto, quando há estas barreiras, a Gestão de Projetos surge como uma luz no fim do túnel no curso de SI, mas também esbarra com todas as questões citadas no teu artigo.
Parabéns!

Israel Guido

Formação é essencial, mais experiencia é tudo.

Felipe Gomes

Boa Luuu!! :)

Marcos Brizeno

Falando sério, como alguém cursa Sistemas de Informação e diz que não gosta de programar? Acha que vai fazer o que? Ficar desenhando diagramas UML e modelos de banco de dados? Se conseguir realmente isso, vai ser só mais um dos “chefes babacas” que não fazem a menor ideia da realidade da equipe e do projeto.

Marcos Aurelio

Adorei o post de Luanna!!!

Pesquisei muito sobre o meu Objetivo final.
Estou cursando á 1 semana analise de sistemas,e realmente até chegar a um dos melhores cargos terei que passar por diversas áreas de outras funções.

1° você terá que desenvolver e ter uma noção de como trabalhar com o lado programador.

2° Eu percebi que para você chegar, como exemplo:Gerente de projetos,você precisa passar por desafios,isso vai valorizar a profissão.

Supomos que na faculdade,esteja o curso superior de Gerente de projetos.
Um dos grandes problemas que iremos encontrar é que demais pessoas iriam facilmente serem certificados.O que quero explicar a vocês que ao longo do tempo principalmente no curso de analise de sistemas,muitos desistem e não conseguem prosseguir,é como se fosse uma prova de conhecimentos,se você está apto a merecer o GP,então,somente os melhores dos melhores.

Outro detalhe também,Gp não é apenas administrar empresas,nem comandar certas pessoas pros seus cargos,acho que o dever real e saber também como realizar as tarefas,caso aconteça algum imprevisto ele estará apto a inverter está situação,sem ser enganado.
Será que estou certo?

Qual a sua opinião?