Seções iMasters
Analytics

Respostas para 4 excelentes perguntas sobre SEO

Em uma viagem recente para uma série de reuniões, tive a chance de filmar o conteúdo de um filme para a Market Motive com um velho amigo, Todd Malicoat (mais conhecido como Stuntdubl). Todd também coletou várias questões sobre caras da Market Motive no Twitter, e ao invés de respostas inaceitavelmente curtas, em 140 caracteres, pensei em respondê-las aqui no blog.     

Se só pudesse existir um: presença em um site ou nas mídias sociais. Qual você escolheria e por quê?

Eu sempre tive ressalvas com relação a presença de um website nas mídias sociais. Não é que uma ótima conta do Twitter, Facebook, Yelp, Foursquare ou LinkedIn  não seja ótimo, mas é que a flexibilidade, potência, branding e mensurabilidade de um site ainda têm que ser correspondentes em qualquer plataforma. Com um site, você pode construir e customizar virtualmente qualquer forma de análise e alavancar qualquer tipo de tecnologia web para exibir/entregar conteúdo e controlar o seu destino. Mesmo se o Facebook e outras plataformas novas e totalmente flexíveis permitissem todos esses recursos, ainda assim você não nunca iria ser verdadeiramente dono da sua home na web.

Sou um grande defensor e apoiador das mídias sociais, mas acredito que eu nunca poderia concordar em ter sua base primária de marketing e aquisições em qualquer lugar que não seja um site que você controla completamente.    
   
   

Qual é o risco futuro para conteúdo duplicado em descrições de produtos para 3 domínios segmentados geograficamente parecidos?

Infelizmente, essa é uma questão que tem flutuado tanto nos últimos 5 anos que não me sinto completamente confortável em dar uma resposta sólida que me faça sentir seguro que será a resposta certa por muito tempo.

A situação atual é que para o Google, na maior parte do tempo isso não é um problema. Você pode configurar um site em Espanhol com target na Espanha, outro no México e um terceiro no Peru, muitas vezes sobrepondo conteúdos de páginas, e enquanto os TLDs dos países são únicos (por exemplo .es, .com.mx, .pe etc.) e/ou você executou o target separadamente através do Google Webmaster Tools (mais sobre este tópico aqui), você está relativamente seguro do filtro de conteúdo duplicado.

Dito isto, o Bing não é nem de perto tão sofisticado nesta frente (normalmente), apesar de eles estarem melhorando. Não sei como mecanismos de busca como Baidu, Yandex ou Naver lidam com essa situação, atualmente – se alguém nos comentários tiver expertise nisto, por favor nos envie. Com isso, muitas vezes é inteligente escolher entre um site com target global OU construir sites extremamente customizados para regiões específicas (mesmo se houver uma sobreposição de linguagem). Você sempre pode usar o domínio cruzado rel=canonical se você quiser “compartilhar” conteúdo entre/através de sites e a seleção retornada pelo Google.     

No ano que vem, o que irá afetar mais o SERP’s, Twitter ou Facebook?

Depende se você quer dizer diretamente ou indiretamente.

Diretamente, seria o Twitter. Levando em consideração a animosidade constante do Google com todas as coisas que o Facebook não demonstra sinais de mudança, eu diria que é pouco provável que o Google comece a usar os sinais do Facebook diretamente nos resultados. No entanto, como mostramos nos dados correlatos, as coisas que funcionam bem no Facebook, ganham vários “compartilhamentos”, comentários, “curtir” e esta atividade pode levar para efeitos de segunda instância bastante positivos e influenciadores (links, tweets, sinais de análise de conteúdo positivo, etc).

Com o Twitter, ainda vamos ver se eles conseguem atingir a ubiquidade em um mundo mais abrangente. O serviço é claramente o líder em muitos campos – marketing, política, tecnologia, investimento, mídia e outros – mas ainda não é um serviço que todo mundo está usando (~100 milhões ativos versos 750 milhões do Facebook). Se ele tiver picos de crescimento, aumento de comprometimento e se tornar mais arraigado no tecido da sociedade “normal”, então eles podem competir com o Facebook para influenciar os resultados, tanto no nível primário como no secundário.

Como as novas extensões a $180k cada para grandes negócios irão afetar o resto de nós?

A resposta sincera é que ninguém sabe na verdade. No entanto, eu suspeito fortemente que o TLD (veja esse artigo do Mashable sobre o assunto para mais detalhes http://mashable.com/2011/06/20/icann-top-level-domains/ ) terá muito mais impacto na área do branding da web do que nos resultados diretos de busca, para buscadores ou para marketeiros orgânicos. Mas eu tenho alguns palpites:

  • Os novos TLDs irão se tornar comoditizados rapidamente – $180K não é um grande obstáculo financeiro para muitos negócios de médio porte
  • O fator “da moda” é provável de existir nos mundos das startups tecnológicas e web-savyy (como Quora ou NameSake), mas seu primo em Michigan não terá ouvido falar deles e terá problemas ao utilizá-los ou acreditar que eles funcionam (se eles os virem em anúncios offline)
  • Eles podem de fato aumentar o desejo por domínios .com como o padrão de ouro a que todos estão acostumados e se sentem confortáveis.
  • Alguns podem ganhar reconhecimento de marca suficiente (como .ly e .us têm no web 2.0 run up) para ter alguma velocidade de escape e ficar em paralelo com .info e .net.. Mas eu não colocaria meu dinheiro nisso :-)   

Normalmente, eu sou um grande fã da adoção primária de novas táticas de marketing, mas isso não parece positivo para o TOI para que as pessoas consigam uma forte recomendação minha. Como todo mundo, eu estarei observando com antecipação para ver como é adotado e usado. 

?

Este artigo é uma republicação feita com
permissão. SEOMoz não tem qualquer afiliação com este site.
O original está em http://www.seomoz.org/blog/answers-to-4-excellent-seo-questions

Qual a sua opinião?