Seções iMasters
Gerência de TI + Tecnologia

A centralização da TI como fator de risco

A evolução da tecnologia da informação (TI) fez com que
quase todas as empresas passassem a ter algum suporte para a área – seja
interno ou terceirizado – para não paralisar os processos empresariais por
conta de problemas nas máquinas ou nos sistemas de gestão. Os gestores que
investem no setor acreditam que, com o suporte, estão se livrando de uma “dor
de cabeça”, porém, há uma tendência preocupante, em que os profissionais de TI
costumam centralizar todos os processos tecnológicos, fazendo com que as
empresas, sem perceberem, acabem virando refém desses profissionais.

Hoje, 70% dos gestores que nos procuram alegam ter problemas
de transição no departamento de TI, que, de acordo com eles, além de não
apresentar um resultado satisfatório, cria um ecossistema em que os processos
tecnológicos da empresa dependem das pessoas que trabalham na área. Os sistemas
ERPs, os de mensageria e os de colaboração costumam ser os mais “customizados”
– logo, são os mais centralizados.

Com estudos de mercado, observei que os gestores do negócio
não têm uma visão amadurecida do que realmente é a Tecnologia. Seus campos de
visão focam apenas nas ferramentas que utilizam e seus benefícios, não
conhecendo a infraestrutura que está por trás. Encontramos esses cenários
principalmente em PMEs, já que as grandes corporações estão alertas para esse
movimento.

A insegurança é geralmente a maior razão para esse
comportamento centralizador dos profissionais de TI, que acreditam que os
mercados de datacenter e de virtualização irão tomar seus empregos. Vale
lembrar que bons profissionais sempre terão seu espaço no mercado que, como
todos sabem, está carente de pessoas capacitadas. E há empresas dispostas a
pagar bons salários para quem puder assumir a demanda.

O fato é que, com tudo isso, os gestores se tornam reféns de
uma área que não deveria gerar problemas. Como principais prejuízos eles
admitem ter perda de tempo e produtividade, além da dificuldade em manter a
fluidez do serviço em momentos de mudanças. Para que isso não aconteça, a TI
deve ser encarada como um departamento estratégico – e todo departamento
estratégico deve ser acompanhado de perto.

Entendo que os gestores não têm tempo para se ocuparem com
assuntos da TI, e também não espero que compreendam infraestrutura ou sistemas.
Mas sempre recomendamos que eles participem da contratação desses serviços de
forma mais ativa e incluam o departamento de TI nos processos de auditoria,
cobrando as documentações e os procedimentos da área. Assim, caso ocorram
discrepâncias, elas serão facilmente identificadas e rapidamente solucionadas.

Para as empresas que estão começando ou têm a oportunidade
de reestruturar a área, aconselho optarem por tecnologias que não dependem de
infraestrutura física – um exemplo são os serviços em nuvem, que não exigem
servidores internos e dispensam manutenção. Além disso, devem produzir
documentos com os processos de TI detalhados para que os mesmos sejam usados
por qualquer profissional que venha a assumir a área em momentos de transição e
update. Deve-se, também, definir o planejamento estratégico do departamento,
que deve ser alinhado com o planejamento estratégico da empresa.

Já para quem quer resolver esse problema na empresa, seguem
algumas dicas: deve-se analisar e diagnosticar se o departamento de TI é
centralizado, seja ela por funcionário ou por uma terceirizada. Se a resposta
for positiva, a recomendação é contratar uma consultoria especializada para
auxiliar a empresa e o departamento de TI a estruturarem processos que não
gerem dependência.

 

Comente também

3 Comentários

Édipo Maciel Bento Rosa

Parabéns pelo post, muito bom.

Algumas considerações apenas, como foi solicitada opinião, gostaria de expressar a minha.

“Vale lembrar que bons profissionais sempre terão seu espaço no mercado que, como todos sabem, está carente de pessoas capacitadas.”

Eu ouvi isto desde quando entrei na faculdade e o que vejo, hoje, não é bem assim.

Vejo colegas de classe que tiravam as piores notas e eram péssimos em lógica de programação [sim, não conseguiam sequer programar corretamente em qualquer linguagem] , porém, que possuem o ‘famoso’ Lerolero [71, ou lábia] pra poder vender gelo pra esquimó, e este, sim, estes conseguem ‘se virar’.

Muitos largam a faculdade e continuam suas carreiras, mesmo sem certificados, e conseguem se colocar em postos de gerência no mercado.

É intrigante, mas o que vejo acontecer é: Bons profissionais se colocarem em ‘postos’ mal pagos no mercado, lutando por reconhecimento e se colocando aos poucos, se arrastando, enquanto os ‘bons de lábia’, mesmo que péssimos profissionais, conseguem esconder suas sujeiras e crescer, mesmo que indignamente, no mercado de trabalho.

Vejo garotos de 14 anos que não fazem nada em casa, não possuem certificação alguma, mas se tornaram desenvolvedores, de tanto ‘brincar na internet’. Estes mesmos garotos, desenvolvendo sistemas e websites pra empresas, cobrando R$ 1000,00 ou menos, e desvalorizando a visão geral sobre a importância [em termos de valores de serviço] da área de TI.

Acredito que a área de TI está sendo subjulgada na maioria dos casos, pois acabamos ‘nos tornando’ a base das informações da empresa.

Um erro de nossa parte pode ser fatal, e mesmo assim insistem em pagar salários baixos à desenvolvedores e analistas de suporte.

Meio deprimente, mas acabou sendo um desabafo rsrs

Obrigado pela oportunidade

Teste Teste

Esse problema vai ocorrer enquanto os executivos encararem o departamento de TI como um departamento de apoio e não estratégico, e a medida que a dependência da empresa em tecnologia aumenta o problema se agrava.

Como solução as empresas deveriam encarar TI como estratégico DE VERDADE, assumindo que a tecnologia compõe o sistema nervoso dos negócios do mundo moderno, ou quando mais pessoas com cunho técnico assumirem as gerencias e darem uma boa direção para os assuntos técnicos.

Enquanto se pregar que pessoas são RECURSOS SUBSTITUIVEIS, a própria área de tecnologia dará a resposta mais dura possível para essa questão. Os empresários se esquecem que a tecnologia é criada e mantidas por seres humanos.

Gerente de TI

A minha opinião é a seguinte, decentralizei meus serviços de hospedagem e e-mail, ou seja, dois servidores a menos para eu gerenciar. O problema é que desde as 8:00 da manhã estou sem e-mail e as cobranças não são feitas ao provedor e sim a mim. Acho que ficou claro a importância de se ter um bom profissional e valorizá-lo ao invés de decentralizar os serviços.

Abraço à todos.

Qual a sua opinião?